|Banca

BCP: aumento de lucros não afasta intenção de despedir

O banco registou, no primeiro trimestre de 2021, lucros de 57,8 milhões de euros, mas o seu presidente já anunciou que vai divulgar um «plano de saída de trabalhadores» para reduzir custos.

Créditos / alegro.pt

Segundo dados divulgados pelo banco, nos primeiros três meses do ano, o Millenium BCP teve um aumento de rendimentos, cifrando-se nos 57,8 milhões de euros, mais 63,8% do que no periódo homólogo de 2020, em que tinha registado 35,3 milhões de euros de lucros.

Os resultados apresentados incluem 112,8 milhões de euros de provisões para riscos legais de créditos em francos suíços relativos à operação do BCP da Polónia e, quer as imparidades quer as provisões foram reforçadas em 242,8 milhões de euros, mais 20,3% do que nos primeiros três meses de 2020.

No entanto, estes resultados positivos não impediram que o presidente do BCP, Miguel Maya Dias Pinheiro, anunciasse esta terça-feira que o banco, em «momento oportuno», vai divulgar um «plano de saída de trabalhadores» para reduzir custos.

Ainda sem adiantar quantos funcionários quer despedir, o responsável justificou esta intenção dizendo que «o banco tem de se preparar para o futuro e a gestão dos recursos tem de ser dinâmica. No ano passado era intenção de banco fazer mais saídas do que fez, foi por motivos sociais que não o fez».

O gestor sustenta ainda que existe, «há já bastante tempo», a intenção de tornar o banco «eficiente para ser competitivo de futuro e manter-se relevante». E afirma que o objectivo é o de «crescermos, criarmos oportunidades de valorização profissional para os trabalhadores do banco, remunerarmos adequadamente os accionistas».

Recorde-se, porém, que no que concerne aos custos operacionais, em comparação entre o primeiro trimestre de 2020 e de 2021, caíram 9,2% para 259,3 milhões de euros.

O BCP contava no mês de Março com 7004 trabalhadores e 476 balcões no País. A redução de trabalhadores bancários e o fecho de balcões tem sido, nos últimos anos, uma realidade que tem merecido contestação sindical em defesa dos trabalhadores e das populações que perdem serviços de proximidade.


Com agência Lusa

Tópico