|mobilidade e transportes

Setúbal vai ter uma rede de bicicletas partilhadas

Deliberação do executivo da Câmara Municipal de Setúbal propõe também o prolongamento do projecto-piloto do sistema de trotinetes, com mais de três mil utilizações diárias.

Trabalhadores de vários sectores da Câmara Municipal de Setúbal deslocaram-se, no dia 21 de Setembro de 2018, de bicicleta para o trabalho em resposta a um desafio lançado no âmbito do programa das comemorações locais da Semana Europeia da Mobilidade. 
Trabalhadores de vários sectores da Câmara Municipal de Setúbal deslocaram-se, no dia 21 de Setembro de 2018, de bicicleta para o trabalho em resposta a um desafio lançado no âmbito do programa das comemorações locais da Semana Europeia da Mobilidade. Créditos / Câmara Municipal de Setúbal

A grande adesão ao sistema de trotinetes, em que, entre o início de Junho e o dia 26 de Outubro, já tinham sido percorridos mensalmente «perto de 165 mil quilómetros, só em deslocações de curta distância na cidade», veio confirmar aquilo que a Câmara Municipal de Setúbal (CMS) já previra no Plano de Mobilidade Sustentável e Transportes de Setúbal de 2018: Há uma elevada procura que precisa de ter resposta.    

No comunicado que a CMS fez chegar ao AbrilAbril, é destacado o peso que as «deslocações motorizadas, com menos de 1,5 quilómetros de distância, têm em várias zonas, onde cerca de 80% dos casos são deslocações que ocorrem dentro do próprio concelho e 50% dentro das próprias freguesias».

Assim, e tendo em conta que «40% dos residentes em Setúbal precisam apenas de quatro a 30 minutos para as suas deslocações diárias», fica confirmado o potencial de transferência destas viagens, feitas em automóvel, para modos mais suaves e menos poluentes de transporte.

A fase experimental deste projecto-piloto vai ter a duração de seis meses para que se possa fazer uma avaliação da pertinência da instalação de uma solução mais definitiva, «mas também para se dispor de mais uma oferta de mobilidade sustentável para as deslocações diárias municipais». A área abrangida será igual à que é hoje usada para as trotinetes.        

O sucesso da experiência com as trotinetes levou ao prolongamento, por mais seis meses, deste programa, com algumas alterações substanciais, decorrentes do conhecimento adquirido nos últimos meses.

A velocidade máxima será reduzida, dos 25km/h para os 20, e todas as trotinetas vão estar equipadas com «sensores com capacidade para detectar acidentes, quedas, travagens bruscas e padrões de condução inseguros, e alertas de voz inteligentes para notificar os utilizadores sobre as áreas pedonais, áreas de baixa velocidade ou restrições de estacionamento».    

Tópico