Setúbal: Freguesias rejeitam acolher serviços bancários

Várias freguesias do distrito de Setúbal dizem não à instalação de entidades bancárias privadas nas suas instalações e classificam de «dissimulada» a forma como se efectuou o encerramento de balcões da CGD.

https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/jr_manif_freguesiaset_res_1.jpg?itok=9HsDLoHA
Manifestação contra o encerramento das agências da CGD organizada pelas juntas de freguesia do distrito de Setúbal, junto à sede da CGD em Lisboa, 27 de Abril de 2017
Manifestação contra o encerramento das agências da CGD organizada pelas juntas de freguesia do distrito de Setúbal, junto à sede da CGD em Lisboa, 27 de Abril de 2017CréditosJoão Relvas / Agência Lusa

Num comunicado conjunto emitido ontem, a Freguesia do Sado e as Uniões de Freguesias de Almada, Cova da Piedade, Pragal e Cacilhas; Charneca da Caparica e Sobreda; Laranjeiro e Feijó; Barreiro e Lavradio, rejeitam qualquer entendimento para a instalação de entidades bancárias privadas nas suas instalações ou com o seu apoio.

As freguesias dizem ter sido a banca privada a «arrastar o país para uma situação financeira desastrosa» e afirmam que o encerramento de balcões da CGD «abre espaço a ser ocupado» pelos concorrentes privados.

Os autarcas recordam a manifestação realizada junto à sede da CGD, em Lisboa, no dia 27 de Abril, referindo que foi assumido o compromisso por parte do conselho de administração do banco de reavaliar a situação. Porém, denunciam que «no dia 28 de Abril, as várias agências encerraram com o cobarde aviso que o faziam por motivos técnicos, de forma dissimulada, no mínimo desrespeitosa para populações, eleitos e clientes que defendem as agências na sua área geográfica, mas, acima de tudo, a permanência do banco público junto das populações».

As freguesias lamentam ainda a ausência da Junta de Freguesia de Canha, no Montijo, no protesto do dia 27, «depois de estarem de acordo com a iniciativa». Recorde-se que a população desta freguesia participou na manifestação graças ao apoio prestado pela Câmara Municipal de Palmela. 

1 Comentários

no artigo "Setúbal: Freguesias rejeitam acolher serviços bancários

E muitíssimo bem!... Já não basta terem espetado com os serviços dos CTT em algumas Juntas e Uniões de Juntas (outra parvoíce PSD/CDS-PP), onde o serviço degenerou em fraca qualidade e paupérrimo serviço, ao subcontratarem alegados "carteiros" em empresas de trabalho temporário, que provocam inúmeros problemas ao se enganarem sistematicamente, por desinteresse dado serem precários e mal pagos, na colocação da correspondência nas caixas do correio. Agora querem colocar nas Juntas e Uniões de Juntas serviços bancários, apenas demonstram o quanto se estão marimbando para o serviço público de qualidade e desqualificam por completo a profissão de empregado bancário. Desde quando um funcionário de junta entende sobre o funcionamento de um banco e seus serviços? Euribor, TAG, créditos, juros, taxas, moras, coeficientes, etc.? Para além de passar a ser um perigo acrescido para as Juntas/Uniões de Juntas e seus operacionais, lidar com dinheiro em valores para além da capacidade em segurança destes serem acumulados nestas instalações. É uma dádiva dos céus para a gatunagem sem colarinho branco porque esses, andam pelo arco do poder em Portugal.