|privatização

PS, PSD/CDS e IL rejeitam acesso público à Praia da Galé

As propostas do PCP, BE e Livre para assegurar o acesso público livre à Praia da Galé, em Grândola, foram chumbadas pelo PS e a maioria da direita. Fundo imobiliário quer criar megaempreendimento exclusivo para milionários.

Praia do Parque de Campismo da Galé 
Créditos / Booking

O Parque de Campismo da Galé, onde moravam cerca de 500 pessoas, era um entrave à expansão do projecto Costa Terra, que pretende instalar «204 moradias, 3 aparthotéis com 560 camas, 4 aldeamentos turísticos com 775 camas, 4 conjuntos de apartamentos turísticos com 823 camas, uma estalagem com 40 camas e um campo de golfe de 18 buracos, além de vários equipamentos complementares na linha litoral de Grândola».

A expectativas destes fundos é vender os lotes por um preço mínimo de mais de três milhões de euros. Em 2021, o parque foi comprado por 25 milhões de euros pelo fundo norte-americano Discovery Land Company, que assumiu todo o projecto Costa Terra. Nessa altura, António Figueira Mendes, presidente da Câmara Municipal de Grândola (CMG), exigiu que o acesso à praia da Galé se mantivesse aberto ao público, independentemente dos interesses privados.

O primeiro passo no processo da Costa Terra foi iniciado em 2006, com o aval do despacho conjunto do Ministério da Economia e do Ambiente do Governo XVII do PS, de José Sócrates.

As propostas apresentadas pelo PCP, BE e Livre na Assembleia da República, a 17 de Maio de 2024, no sentido de salvaguardar o interesse público na praia da Galé e que o Governo salvaguarde o funcionamento do parque de campismo nos seus moldes actuais, foram chumbadas pelo PS, PSD, CDS-PP e IL.

Os comunistas defendem que «o desenvolvimento turístico deve acontecer de forma integrada e harmoniosa, que inclua a acessibilidade, a fruição e o lazer para as populações, valorizando a qualidade ambiental, paisagística e natural, salvaguardando o acesso da população às zonas balneares». No seu projecto, o BE considera a operação imobiliária em curso no concelho é «mais um exemplo de como a pressão turística de luxo está a privatizar e a elitizar zonas costeiras privilegiadas que sempre foram de usufruto popular».

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui