|Almada

PS e PSD não se comprometem com realojamento definitivo de moradores do 2.º Torrão

A denúncia é da CDU, que viu ser rejeitada uma moção a reivindicar que a Câmara de Almada assuma um compromisso «firme e pleno» de realojamento dos moradores do Bairro do Segundo Torrão, na Trafaria. 

Créditos / Almadense

A maioria PS/PSD na Assembleia Municipal de Almada ficou isolada na votação da recomendação apresentada pela coligação PCP-PEV na sessão extraordinária da Assembleia Municipal. «Por mera opção política», lê-se numa nota da CDU, os dois partidos rejeitaram um texto «que propunha que a Câmara Municipal assumisse um compromisso firme e pleno de realojamento definitivo de cada família e morador do 2.º Torrão», recentemente desalojados.

Para a CDU, esta maioria «começou por actuar com negligência», uma vez conhecer o problema há dois anos e não ter feito nada, entretanto, para o resolver, e «continuou a actuar com incompetência», tendo promovido um processo de desalojamento de dezenas de famílias, «desorganizado e sem garantias de alternativa de habitação digna». 

A coligação critica ainda que o Município procure agora desresponsabilizar-se, «tentando esconder as suas insuficiências próprias, e atribuindo-as a terceiros».

O texto, que, exceptuando PS e PSD, foi votado favoravelmente por todas as forças políticas, recomendava à autarquia que, no âmbito do processo em curso de demolição das residências precárias instaladas sobre a cobertura da vala de drenagem de águas pluviais existente no Bairro do 2.º Torrão, por razões de segurança e protecção de pessoas e bens, assumisse o compromisso «formal e por escrito» com cada uma das famílias ou pessoas individualmente consideradas. E que a partir dele garantisse que o seu realojamento definitivo seria concretizado no mais curto espaço de tempo possível, em habitação municipal condigna e adequada à estrutura de cada uma das famílias.

Tópico