|CTT

População não abdica dos CTT

Vigílias dos utentes dos CTT na cidade de Lisboa e no concelho de Loures marcam a agenda de protestos desta quinta-feira contra o encerramento dos serviços públicos.

https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/ctt_miguela.lopes_14_res.jpg?itok=AYLSLv5f
População e autarcas, designadamente o presidente da Câmara Municipal do Seixal, manifestaram-se no dia 11 de Janeiro contra o encerramento do posto dos CTT em Aldeia de Paio Pires
População e autarcas, designadamente o presidente da Câmara Municipal do Seixal, manifestaram-se no dia 11 de Janeiro contra o encerramento do posto dos CTT em Aldeia de Paio PiresCréditosMiguel A. Lopes / Agência Lusa

A primeira acção de protesto foi dinamizada ao início da tarde pelo Movimento de Utentes dos Serviços Públicos (MUSP), junto à estação das Olaias, no Areeiro, uma das três que os CTT pretendem encerrar na cidade de Lisboa. 

Pelas 17h, a Comissão de Utentes dos Serviços Públicos da União de Freguesias de Camarate, Unhos e Apelação, no concelho de Loures, realiza uma vigília contra o encerramento da estação dos Correios de Camarate.

A estação dos CTT de Camarate integra a lista de 22 estações que o grupo pretende encerrar a nível nacional. A população contesta o fecho da estação, bem como o argumento avançado pela empresa de que as estações visadas têm «pouco movimento».  

A comissão de utentes admite que esta estação serve cerca de 35 mil habitantes e atende diariamente uma média de 200 pessoas, em particular idosos e empresas locais.

A «degradação do serviço prestado», designadamente o atraso na entrega da correspondência, é outra das queixas manifestadas pela população. 

«Novo ataque ao serviço público»

Para amanhã, o MUSP tem agendadas vigílias junto às restantes estações dos CTT que a administração pretende encerrar na capital. Pelas 10h, está marcada uma concentração junto à do Socorro, na freguesia de Santa Maria Maior. Uma hora depois, realiza-se uma acção junto à estação da Junqueira, em Alcântara. 

O movimento apela aos utentes para que lutem contra o «novo ataque ao serviço público de proximidade prestado pelos CTT (...), integrado no processo de destruição do serviço postal público e universal iniciado com a privatização», posta em marcha pelo governo do PSD e do CDS-PP.

Em Abrantes, no distrito de Santarém, a Comissão de Utentes dos Serviços Públicos do Concelho pôs a circular um abaixo-assinado em defesa da estação dos Correios na freguesia de Alferrarede. No texto introdutório sublinha-se que os «CTT privatizados ligam mais aos lucros do que ao serviço que deviam prestar às populações». 

Tópico