|Escola Pública

Há nove anos em contentores. Câmara do Seixal exige fim das obras na João de Barros

As obras de requalificação da Escola João de Barros, com 1200 alunos, começaram em Outubro de 2010. O Município do Seixal exige ao Governo a conclusão urgente das mesmas para que acabem os contentores. 

Créditos / SIC Notícias

O Município aprovou ontem, em reunião de Câmara, uma tomada de posição pela conclusão urgente das obras da Escola Secundária João de Barros, em Corroios. Desde o mês de Outubro de 2010 que alunos, professores e funcionários estão confinados a contentores pré-fabricados, ao lado de um estaleiro.

A última acção de luta da comunidade escolar aconteceu no passado dia 7 de Dezembro. Da mesma forma, também a Câmara Municipal do Seixal tem vindo a fazer pressão para que a tutela conclua a empreitada. 

«É inquestionável a necessidade de modernização de uma escola instalada na freguesia de Corroios desde 1986, mas é igualmente inquestionável a necessidade de resolução de um problema que se arrasta há nove anos e que penaliza cerca de 1200 alunos, docentes e funcionários de forma injusta, sem que se vislumbre uma solução que conclua um processo iniciado em 2010», afirmou esta quarta-feira o presidente da Câmara Municipal do Seixal.

Joaquim Santos (CDU) denunciou que, «apesar de as obras serem há muito reivindicadas pelas autarquias e pela comunidade educativa, não existe nenhum desenvolvimento, nem uma perspectiva de plano excepcional de calendarização de intervenções por parte do Ministério de Educação, tendo em conta a urgência da situação existente».

As obras de requalificação da Escola Secundária João de Barros, da responsabilidade da Parque Escolar, encontram-se suspensas desde o passado mês de Abril, data em que a obra foi novamente interrompida. Desde então, lamenta a autarquia, não há informação concreta sobre a previsão do reinício dos trabalhos.

Tópico