|Loures

Há condições em Loures para se sair do estado de calamidade

O presidente da Câmara de Loures considerou estarem reunidas as condições para que as duas freguesias do concelho que têm medidas mais restritivas possam sair da situação de calamidade.

A arte acrescenta vida ao bairro
A arte acrescenta vida ao bairroCréditos / streetartrat.com

«Se se confirmar a trajectória de descida [esta semana] quer do número de casos activos, quer do número de novos casos diários, eu julgo que estão criadas as condições para as nossas freguesias saírem do estado de calamidade», afirmou o autarca comunista, em declarações à Lusa.

Em causa estão as uniões de freguesias de Camarate, Unhos e Apelação, e de Sacavém e Prior Velho, duas das 19 freguesias da Área Metropolitana de Lisboa (AML) com medidas mais restritivas devido ao surto da Covid-19.

Bernardino Soares adiantou que neste momento em todo o concelho de Loures estão activos cerca de 350 casos, «um número muito abaixo» dos que já se verificaram.

«Os últimos números apontam para uma média de 19 casos diários, muito abaixo dos 30, 40, 50 que tivemos noutras semanas. Portanto, a situação está bastante normalizada», sublinhou.

Apesar de considerar que estão reunidas as condições para que as duas freguesias saiam da situação de calamidade, o autarca ressalvou que «a decisão será obviamente do Governo».

«Vamos continuar a ter Covid-19 no nosso território e vamos ter de continuar a trabalhar e a manter as equipas no terreno, mas acho que estamos já num patamar em que podemos lidar com isso sem estar em estado de calamidade», insistiu.

No final de Junho, em declarações à SIC Notícias sobre as equipas multidisciplinares que estão no terreno a acompanhar as populações e a resolver problemas relacionados com a necessidade de isolamento, Bernardino Soares disse que ou se criavam condições para  as pessoas ficarem em casa «ou a subsistência sobrepõe-se ao confinamento».

Na próxima segunda-feira o Governo reúne-se com os presidentes dos cinco municípios da AML com freguesias em estado de calamidade para discutir e decidir o prolongamento ou não desta medida.

Tópico