|Palestina

Tropas israelitas realizam incursões na Cisjordânia, em pleno surto de Covid-19

Soldados israelitas invadiram casas em Ramallah e aldeias vizinhas, dificultando as medidas preventivas contra o coronavírus. Em Jerusalém ocupada, grupos de colonos cuspiram em viaturas de palestinianos.

Militares israelitas durante uma operação na Margem Ocidental ocupada (foto de arquivo)
Militares israelitas durante uma operação na Margem Ocidental ocupada (foto de arquivo)Créditos / almanar.com.lb

Soldados israelitas lançaram gás lacrimogéneo e granadas atordoantes contra grupos de jovens, invadiram casas e efectuaram detenções na cidade de Ramallah, no que pareceu ser uma operação de «busca e captura», esta terça-feira, segundo revelaram fontes locais ao portal Palestine Chronicle.

As tropas israelitas realizaram incursões idênticas nas aldeias vizinhas de Budrus e Kubar, a oeste e norte de Ramallah, respectivamente, onde também efectuaram detenções.

Após estas operações repressivas das forças de ocupação, o município de Ramallah actuou rapidamente no sentido de esterilizar ruas, locais públicos e prédios invadidos pelos soldados israelitas, segundo declarou à agência WAFA o presidente da Câmara Municipal, Moussa Hadid.

Por outro lado, colonos israelitas do colonato ilegal de Ramot causaram grande preocupação entre a população palestiniana da aldeia de Beit Iksa, a noroeste de Jerusalém ocupada, ao cuspirem nos carros que entravam ou saíam da aldeia, esta quarta-feira, segundo noticia a WAFA, citada pela HispanTV.

Os colonos acabaram por ser obrigados a sair da aldeia, depois de confrontados por jovens locais, e as autoridades procederam à desinfecção da estrada e dos carros, acusando os colonos do colonato de Ramot – onde se registaram 17 casos de infecção – de quererem propagar o coronavírus.

Em declarações a uma cadeia de TV, Qassan Nemar, representante do Ministério do Interior da Palestina, acusou também os militares e colonos israelitas de propagarem deliberadamente o vírus entre a população palestiniana.

Em comunicado, a organização Euro-Med Monitor, sedeada em Genebra, instou a comunidade internacional a proteger os palestinianos e a forçar as tropas israelitas a parar as incursões nas cidades e aldeias palestinianas, na medida em que ameaçam as medidas preventivas tomadas pela Autoridade Palestiniana para controlar o surto de coronavírus.

Pediu ainda que seja investigado e responsabilizado o comportamento suspeito de vários soldados e colonos israelitas, que parece ter sido uma tentativa de espalhar a infecção, revela a Palestine Chronicle.

Tópico