|Irlanda

Protesto pela paz e contra o envolvimento da Irlanda na guerra da Ucrânia

Em Dublin, os manifestantes criticaram o governo por ir facultar treino com armas a recrutas do Exército ucraniano, exigindo-lhe que mantenha a política irlandesa de neutralidade em conflitos internacionais.

«O governo deseja claramente alinhar-se com os belicistas em Washington e bajular a NATO», denunciaram manifestantes em Dublin 
«O governo deseja claramente alinhar-se com os belicistas em Washington e bajular a NATO», denunciaram manifestantes em Dublin Créditos / Communist Party of Ireland

Forças de esquerda e grupos de defesa da paz na Irlanda promoveram esta semana a realização de um protesto em Dublin, junto ao Ministério dos Negócios Estrangeiros, para denunciar a posição do governo de coligação (Fine Gael-Fianna Fail-Verdes) no que respeita ao envolvimento do país na guerra em curso na Ucrânia entre a NATO e a Rússia.

Activistas do Partido Comunista da Irlanda (PCI) e da Aliança Paz e Neutralidade (PANA) participaram na mobilização, criticando o governo pela decisão de facultar treino com armas a recrutas do Exército ucraniano e exigindo que se mantenha a tradicional política irlandesa de neutralidade em conflitos internacionais, indica o Peoples Dispatch.

Os manifestantes – entre os quais se encontravam militantes do Partido dos Trabalhadores da Irlanda, da Liga da Neutralidade Irlandesa e da Acção Anti-Imperialista (Irlanda) – também instaram os líderes políticos da Rússia e da Ucrânia a chegarem a um acordo sobre conversações de paz e um cessar-fogo imediato.

De acordo com The Irish Times, as tropas irlandesas deverão fornecer treino com armas aos novos recrutas das Forças Armadas da Ucrânia. Isto, apesar das repetidas garantias dadas pelo governo de Dublin quanto à manutenção da neutralidade irlandesa e de que forneceria apenas ajuda «não letal» à Ucrânia.

No âmbito da Missão de Assistência Militar da União Europeia de apoio à Ucrânia (Eumam), a Irlanda tem vindo a prestar ajuda ao país europeu ao nível de medicamentos, desminagem e engenharia.

«Dizemos "não" à guerra, "não" à NATO, "sim" à paz e "sim" à neutralidade»

Ao intervir na mobilização, Roger Cole, da PANA, defendeu um cessar-fogo imediato na Ucrânia, pois, de outra forma, «a situação irá a evoluir para uma guerra nuclear». Numa sondagem recente realizada pela PANA na Irlanda, 87% dos inquiridos defenderam um cessar-fogo e a negociações para pôr fim à guerra na Ucrânia, refere o Peoples Dispatch.

Por seu lado, o secretário-geral do PCI, Jimmy Corcoran, condenou a decisão de fornecer treino com armas como «outro ataque calculado à neutralidade irlandesa». Numa carta lida no protesto, Corcoran afirmou que a política foi «projectada para garantir que a guerra continue, com o aumento de mortes e de destruição daí resultante».

Também o Partido dos Trabalhadores da Irlanda condenou a violação da política de neutralidade, ao arrepio das declarações antes feitas pelo actual governo de coligação.

«O governo deseja claramente alinhar-se com os belicistas em Washington e bajular a NATO. Ao contrário deles, e em linha com a opinião do povo irlandês, dizemos "não" à guerra, "não" à NATO, "sim" à paz e "sim" à neutralidade», afirmou o partido de esquerda.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui