|guerra

A perturbadora nostalgia da guerra

O armistício que pôs fim a uma das maiores e mais cruéis chacinas mundiais está a ser celebrado na Europa através de paradas militares. Portugal excedeu-se convocando o maior desfile militar de sempre

Soldado morto no campo de batalha de Verdun, durante a Grande Guerra (1914-1918). No «picador de carne» de Verdun - como foi chamado pelos que lá estiveram - morreram em combate três quartos de milhão de soldados.
Soldado morto no campo de batalha de Verdun, durante a Grande Guerra (1914-1918). No «picador de carne» de Verdun - como foi chamado pelos que lá estiveram - morreram em combate três quartos de milhão de soldados.CréditosFonte: WWI poetry / Fonte: WWI Poetry

Anda por aí uma crescente nostalgia da guerra. O que é perturbador, inquietante, assustador mesmo. Não tanto da parte dos cavalheiros da indústria da morte, que esses estão muito bem servidos de guerras, embora, pela lógica inatacável do mercado, seja conveniente manter acesos os conflitos que se travam e criar alguns outros por precaução; também não será das instâncias internacionais e dos governos, porque esses lidam diariamente com a guerra, acarinham-na até, mesmo aqueles que não gerindo nações vastas em dimensão confundem grandeza e dignidade com a pertença a alianças guerreiras para as quais a liberdade e a democracia se cultivam através de práticas criminosas. Como resultado destas circunstâncias, é no cidadão comum que se pressente, com maior evidência, a nostalgia da guerra.

«A morte de seres humanos é sempre um dos objectivos principais da guerra, mas essa realidade está dissolvida na propaganda subliminar, na sensação transmitida de que o drama é sempre qualquer coisa de alheio, distante – e se os «maus» forem exterminados, tanto melhor»

Como resultado da aliança explosiva entre os discursos oficiais, a vários níveis, a comunicação social de largo consumo e a abastardada indústria do entretenimento – que alguns insistem em confundir com a cultura – a chamada opinião pública está a ser insidiosamente formatada em modo de guerra. Como se devesse preparar-se para algo que não tarda a rebentar por aí. Ou seja, estão a tentar convencer-nos, através de métodos multidisciplinares e convergentes – tanto quanto possível indolores – de que a guerra, na forma de um conflito de dimensão continental ou transcontinental, é inevitável.

Causas e consequências

Dos cavalheiros da Lockheed, da Boeing, da BEA Systems, da Raytheon, da Northrop e respectivos amanuenses no Pentágono, dentro da NATO e nos governos militarmente aliados não temos que nos espantar. É o negócio de uns, o belo emprego de outros, a política de todos, porque a guerra e o neoliberalismo em todas as suas versões – globalismo, nacionalismos e fascismo – são unha com carne, por definição indissociáveis.

«O armistício que pôs fim a uma das maiores e mais cruéis chacinas mundiais está a ser celebrado na Europa, com epicentro em Paris, através de grandiosas paradas militares simbolizando, no fundo, a prontidão para voltar a fazer o mesmo»

Do comportamento da comunicação social de grande consumo não devemos, igualmente, espantar-nos. Gere-se pela lei do lucro, que é inimiga do interesse dos cidadãos; e como tudo o que seja violência, cultura bélica, jogos militares e, principalmente, a guerra são coisas que vendem, que garantem share, que massificam audiências, que arrebanham multidões, então que venham, quanto mais sangue humano a escorrer mais dinheiro em caixa. É a lei do mercado, a constituição planetária.

Além disso, como tem vindo a afinar-se o talento para fundir a comunicação social com a propaganda e entretenimento, criando um produto híbrido e venenoso a que o neologismo infotainment ainda está longe de corresponder, a transformação do cidadão comum em consumidor inerte da cultura de guerra tornou-se automática e em circuito fechado, com rotação acelerada pela dinâmica tecnológica. Por isso, o Estado de Israel, o mais eficaz laboratório de guerra existente, é conhecido como «a nação startup».

Acaba por não ser surpreendente, portanto, que o cidadão comum, aquele cuja multiplicação por milhares de milhões cria a «opinião pública», manifeste sintomas de nostalgia de guerra. O que torna o fenómeno ainda mais arrepiante.

A morte é muito fotogénica

A banalização da morte, desde os jogos para crianças e adolescentes até às imagens de guerra transmitidas nos noticiários televisivos de prime time, passando pela massiva cinematografia versando o assunto, distancia as pessoas da tragédia que representa a perda de um ser humano, familiariza-as com a violência, com o assassínio – tudo à distância de um clique, de um botão que se carrega, de um aceno com o telecomando, do bilhete de cinema, do aluguer de um filme, dos saldos de CD’s ou DVD’s, da escolha de um episódio em dezenas de canais de séries, da arte de manusear uma consola. Morte real ou a fingir? A reprodução através de imagens muitas vezes não é explícita, quanto mais realista for a versão ficcional mais eficaz é o entretenimento, mais entranhada fica a identificação com a violência.

«Portugal, como não podia deixar de ser, seguiu a regra, excedeu-a mesmo convocando o maior desfile militar de sempre para assinalar o envio de uma geração de portugueses para o matadouro, como um imenso rebanho de gado»

Depois há também o culto do herói, solitário ou destacando-se do anonimato do grupo, a moda militar, a definição e tipificação do inimigo, a inadmissibilidade da crítica à «boa» aliança militar, a deturpação da realidade das guerras existentes, a glorificação da eficácia, das capacidades e performance das armas de extermínio, a compreensão perante o fim de tratados de desarmamento. A morte de seres humanos é sempre um dos objectivos principais da guerra, mas essa realidade está dissolvida na propaganda subliminar, na sensação transmitida de que o drama é sempre qualquer coisa de alheio, distante – e se os «maus» forem exterminados, tanto melhor.

Os poderes públicos não têm sequer o bom senso, ou mesmo a decência, de evitar a militarização de comemorações com as quais pretendem celebrar a paz.

O armistício que pôs fim a uma das maiores e mais cruéis chacinas mundiais está a ser celebrado na Europa, com epicentro em Paris, através de grandiosas paradas militares simbolizando, no fundo, a prontidão para voltar a fazer o mesmo.

«A República de hoje foi incapaz de amenizar, ao menos com desculpas às famílias dos mortos e estropiados, a ignomínia praticada pela República dos primeiros tempos ao agir como qualquer monarquia absoluta»

Portugal, como não podia deixar de ser, seguiu a regra, excedeu-a mesmo convocando o maior desfile militar de sempre para assinalar o envio de uma geração de portugueses para o matadouro, como um imenso rebanho de gado. A República de hoje foi incapaz de amenizar, ao menos com desculpas às famílias dos mortos e estropiados, a ignomínia praticada pela República dos primeiros tempos ao agir como qualquer monarquia absoluta.

A República de hoje foi incapaz de assinalar o armistício com um acto cívico de reflexão sobre a decisão de condenar milhares de portugueses a uma morte certa para irem matar concidadãos alemães sem saberem ao certo por quê. Desta maneira foram martirizados milhões de jovens de vários continentes, para ajuste de contas entre imperadores capitalistas com desavenças de dominação e de acesso, como sempre, aos lucros. E assim se celebra o armistício, cem anos depois, com gigantescas e solenes exibições de aptidões castrenses, como quem passa a mensagem «estamos prontos para outra», mais tarde ou mais cedo as guerras são acontecimentos inevitáveis.

Um ambiente gerado deste modo é susceptível de proporcionar emoção, orgulhos, identificação, uma certa nostalgia da guerra entre as pessoas que não se apercebem do quanto são manipuladas, manobra que o discurso oficial alimenta com o cinismo do «serviço à pátria», uma receita que não conhece fronteiras e funciona em todas as «pátrias».

«Servir a Pátria»

Que «serviço à pátria» prestam, por exemplo, os militares portugueses no Afeganistão? Ou na República Centro Africana, mais de 40 anos depois de nos libertarmos da guerra colonial?

«A República de hoje foi incapaz de assinalar o armistício com um acto cívico de reflexão sobre a decisão de condenar milhares de portugueses a uma morte certa para irem matar concidadãos alemães sem saberem ao certo porquê»

Neste país de África, os militares portugueses actuam, ao que se diz, sob a bandeira da União Europeia, pelos vistos uma «pátria alargada» cuja vocação militar se desconhecia, a não ser como entidade política subsidiária da NATO.

É difícil identificar os interesses portugueses pelos quais esse contingente guerreia em África, onde se trata, isso sim, de servir os contrabandistas de diamantes, urânio, madeiras preciosas, cavalheiros aparentados com as famílias da indústria da morte e outras ilustres corporações, todas elas escravocratas.

E que «serviço à pátria» prestaram os militares portugueses que foram envolvidos, sob comando norte-americano, nas colossais manobras de guerra agora realizadas na Noruega e outros espaços nórdicos, mas sempre com as miras assestadas à Rússia?

Estas interrogações não são comuns entre os comuns cidadãos. Talvez porque não lhes seja dado espaço para as idealizaram enquanto são entretidos com as heróicas façanhas dos «nossos aliados» chacinando sírios e líbios ou sérvios por atacado, levando a democracia e a liberdade até casa dos próprios à bomba, arrombando portas que não se lhes abram, não hesitando em recorrer a armas proibidas como são as munições de fósforo branco.

«os comuns cidadãos […] são entretidos com as heróicas façanhas dos «nossos aliados» chacinando sírios e líbios ou sérvios por atacado, levando a democracia e a liberdade até casa dos próprios à bomba, arrombando portas que não se lhes abram»

Para cidadãos despertos e atentos, as patranhas e mistificações que estão na origem de tais feitos gloriosos seriam fontes de revoltas, de indignação, de repúdio. Porém, isso não pode acontecer porque a maioria das pessoas do planeta estão, de facto, anestesiadas com a guerra que lhes servem a todas as horas, a sério, de faz de conta ou como actividade lúdica.

Daí resultam inércia em vez de atenção crítica, alguma identificação no lugar de indignação, uma certa nostalgia substituindo o que poderia ser repúdio.

Enquanto, inertes ou revoltados, todos nos aproximamos uma vez mais do matadouro, conduzidos agora pelos marechais do mercado, por generais insensíveis e desumanizados, por políticos irresponsáveis, levianos e a soldo.

Tópico