|desigualdade

OIT: Menos 13 milhões de mulheres empregadas em 2021

Segundo nova síntese da Organização Internacional do Trabalho (OIT), haverá menos 13 milhões de mulheres empregadas em 2021, em comparação com 2019, enquanto que o emprego masculino terá recuperado.

Um grupo de mulheres numa iniciativa comemorativa do Dia Internacional da Mulher, no Largo Camões em Lisboa, 8 de Março de 2014
CréditosJosé Sena Goulão / Agência Lusa

A análise a que o AbrilAbril teve acesso conclui que as desigualdades entre mulheres e homens no mundo do trabalho, agravadas durante a pandemia da Covid-19, «persistirão num futuro próximo».

A OIT estima que haja menos 13 milhões de mulheres empregadas em 2021, em comparação com 2019, enquanto que o emprego masculino terá recuperado para os níveis de 2019. Embora o crescimento previsto do emprego das mulheres em 2021 exceda o dos homens, será, no entanto, insuficiente para trazer as mulheres de volta aos níveis de emprego pré-pandemia.   

O documento indica que apenas 43,2% das mulheres em idade activa do mundo estarão empregadas em 2021, em comparação com 68,6% dos homens em idade activa, revelando igualmente que as mulheres sofreram «perdas desproporcionadas» de emprego e de rendimentos devido à sua sobre-representação nos sectores mais duramente atingidos, tais como o alojamento e os serviços alimentares, e o sector da indústria transformadora.   

Globalmente, entre 2019 e 2020, o emprego feminino diminuiu 4,2% representando uma queda de 54 milhões de empregos, enquanto que o emprego masculino diminuiu 3%, representando 60 milhões de empregos, com a OIT a destacar que nem todas as regiões foram afectadas da mesma forma.   

 A OIT sublinha no relatório que a igualdade entre homens e mulheres é central no esforço de recuperação, sugerindo a adopção de estratégias «que respondam às especificidades das mulheres e dos homens», tais como  o investimento na economia dos cuidados, o acesso universal a uma protecção social abrangente, a implementação de salário igual para trabalho igual e a eliminação da violência e da repressão no mundo do trabalho. 

Tópico