|Cuba

O mundo disse outra vez «não» ao bloqueio

A Assembleia Geral da ONU aprovou, com o apoio de 184 dos seus estados-membros, a resolução que pede o fim do bloqueio a Cuba. A diplomacia cubana reclamou para o seu país o «direito de viver em paz».

A Assembleia Geral da ONU voltou a mostar uma oposição esmagadora ao cerco imposto pelos EUA a Cuba 
A Assembleia Geral da ONU voltou a mostar uma oposição esmagadora ao cerco imposto pelos EUA a Cuba Créditos / Twitter

A resolução «Necessidade de pôr fim ao bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos da América a Cuba» foi aprovada, esta quarta-feira, com 187 votos a favor. Apenas os EUA e Israel se opuseram ao levantamento do bloqueio. Registaram-se as abstenções da Colômbia, da Ucrânia e do Brasil.

É a 29.ª vez consecutiva, desde 1992, que a grande maioria dos estados-membros das Nações Unidas pede, na sua Assembleia Geral, o levantamento do cerco imposto por Washington à ilha caribenha há quase seis décadas.

Mais de 15 países e organizações internacionais, como o Movimento de Países Não Alinhados, o Grupo dos 77 mais China (G77+China) e a Comunidade das Caraíbas, pronunciaram-se contra o bloqueio e exigiram o fim da sua aplicação.

Diplomatas e altos representantes de vários países condenaram o recrudescimento da política hostil, bem como as medidas coercivas unilaterais impostas pela administração dos Estados Unidos a Cuba no contexto da pandemia de Covid-19, informa a Prensa Latina.

Foi precisamente por causa da crise sanitária que a apresentação do projecto de resolução não se pôde realizar na Assembleia Geral o ano passado e foi adiada para esta data.

Em Novembro de 2019, uma resolução de teor semelhante foi igualmente aprovada de forma esmagadora, então com 187 votos a favor, três contra (EUA, Israel e Brasil) e duas abstenções (Colômbia e Ucrânia).

«O bloqueio asfixia e mata, e deve acabar»

Bruno Rodríguez, ministro cubano dos Negócios Estrangeiros, que classificou como uma grande vitória do povo da Ilha a votação registada na Assembleia Geral da ONU contra o bloqueio, afirmou, ao apresentar o projecto de resolução, que aquilo que Cuba pede «é que a deixem viver em paz», sublinhando que a política de cerco acabou por desacreditar e isolar os seus promotores.

«É inaceitável privar um povo inteiro do direito à paz, ao desenvolvimento, ao bem-estar e ao progresso humano», frisou Rodríguez, acrescentando: «Como o vírus que causa a Covid-19, o bloqueio asfixia e mata, e deve acabar.»

Na sua intervenção, o diplomata cubano fez questão de agradecer a solidariedade internacional, as múltiplas acções organizadas em diferentes latitudes para exigir o fim do bloqueio imposto à Ilha pelos Estados Unidos.

Bruno Rodríguez explicou também de forma detalhada os danos e prejuízos causados pelo cerco, tendo informado que, nas quase seis décadas de aplicação desta política, os prejuízos ascendem a 147 853 000 000 de dólares, refere a Prensa Latina.

«Os danos humanos, os sofrimentos e as carências provocados às famílias cubanas são incalculáveis», denunciou.

Disse ainda que o ex-presidente norte-americano Donald Trump aplicou durante o seu mandato 243 novas medidas e sanções contra a Ilha, tendo aproveitado de «forma oportunista» a pandemia de Covid-19 para elevar o bloqueio a «níveis extremos».

«Até à data, a administração de Joe Biden aplica na íntegra na mesma política», acrescentou.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui