|Direitos da mulher

O corpo da mulher como objecto e activo transacionável

A presença do corpo da mulher nos media e na publicidade é exacerbado e descontextualizado, reduzindo o corpo à sua dimensão física e sexual. 

Momento do jogo Espanha-Noruega, decisivo para a atribuição da medalha de bronze no Campeonato Europeu Feminino de Andebol de Praia, em Varna, Bulgária, a 18 de Julho de 2021. As jogadoras norueguesas foram multadas por se apresentarem de calções em vez de biquíni<br /> 
As jogadoras norueguesas de andebol de praia foram multadas por se apresentarem de calções em vez de biquíni, no seu encontro contra a Espanha Créditos / EHF/Press

Quando o desporto se torna atractivo por causa do tamanho do equipamento da jogadora.

No passado domingo, enquanto via o resumo desportivo do Campeonato Europeu de Andebol de Praia, reparei nas imagens das jogadoras com areia no corpo, com equipamento reduzido, e dei por mim a interrogar-me sobre a praticabilidade e funcionalidade do equipamento feminino. Porque não usar calções e t-shirt de alças, como, por exemplo, a equipa masculina usa?

Eis que no dia seguinte, somos confrontados com a notícia do pedido das jogadoras da seleção norueguesa para jogarem com calções em vez do biquíni e a (inaceitável) recusa alegando normas do regulamento daquela modalidade: «Os regulamentos da competição são claros: as jogadoras são obrigadas a jogar sempre de biquíni e estão proibidas que a parte de baixo do equipamento cubra mais de 10 centímetros da parte superior das pernas para que haja "atratividade" e mais patrocínios».

Esta notícia salienta as representações que promovem estereótipos de mulheres com determinados padrões de beleza e uma objectificação do corpo da mulher como activo e mercadoria. Mas, principalmente, salienta o cariz ideológico e de mercado que o corpo da mulher representa nesta sociedade capitalista.

«O que dá força e poder às mulheres é a dignidade, o respeito, o direito a ter direitos, e não ter de mostrar pele para ter direito a uma vida digna.»

Esta questão não é nova e sente-se noutras modalidades e noutros domínios da vida, por exemplo: nas feiras automóveis em que o corpo da mulher serve para sexualizar e vender o carro; na hipererotização e massificação feminina centrada na indústria da beleza; no conceito (ideológico) de uma sociedade em que tudo se vende (e o sexo vende tudo!), principalmente o corpo da mulher.

A presença do corpo da mulher nos media e na publicidade é exacerbado e descontextualizado, reduzindo o corpo à sua dimensão física e sexual. Cada vez mais, a publicidade hipersexualiza e objectifica a mulher como mercadoria que vende mercadoria.

A exploração da vida pessoal, da intimidade à privacidade, do corpo tornou-se uma marca do tempo presente, sinal da vulgarização e da banalização que se quer dar à mulher.

Neste caso, não se tratará de promover o desporto ou a prática desta modalidade, mas somente o corpo da mulher, para garantir melhores audiências e melhores patrocínios (da tal indústria). Nem tão pouco, tem como objetivo promover a emancipação da mulher ao objectificar e hipersexualizar o seu corpo.

O mais curioso é o cariz ideológico (e de mercado) destas representações, centrado na beleza da mulher, nos interesses de uma indústria que promove o mito da beleza feminina perfeita que a todas nos amarra a uma perfeição inatingível, encapotado de liberdade e de emancipação, e à ideia de que a sexualização dá poder às mulheres.

Desculpem-me a ligeireza, mas a exposição dos meus seios ou do meu rabo, não me dá mais força como mulher!

Transformar o corpo da mulher num objecto sexual não empodera ninguém. Bem pelo contrário, reduz-me a um objecto: ao tamanho e forma dos seios e do rabo. Reduz-me a um objecto comercializado, sem vontade, sem desejos, mas alvo de troca, compra e venda.

As pessoas, os seres humanos não deviam estar à venda.

O que dá força e poder às mulheres é a dignidade, o respeito, o direito a ter direitos, e não ter de mostrar pele para ter direito a uma vida digna.

Não confundir liberdade com exploração.

O que dá força e poder às mulheres é a transformação do mundo, da sociedade e, consequentemente, das mentalidades e das representações.

Só a transformação social decorrente de uma sociedade sem desigualdades, sem discriminações nem pobreza, poderá assegurar as condições para igualdade entre homens e mulheres.


A autora escreve ao abrigo do Acordo Ortográfico de 1990 (AO90)

Tópico