|Venezuela

Maduro: «Estou pronto para levar a Pátria a um futuro melhor»

Nicolás Maduro tomou posse, esta quinta-feira, como presidente da Venezuela. O mandatário comprometeu-se a conduzir o país a «um destino melhor», a defender a paz, a soberania e a integração regional.

Nicolás Maduro discursa na tomada de posse como presidente da República Bolivariana da Venezuela, no Supremo Tribunal de Justiça, em Caracas
Nicolás Maduro discursa na tomada de posse como presidente da República Bolivariana da Venezuela, no Supremo Tribunal de Justiça, em CaracasCréditos / @CancilleriaVE

«Cumpri a Constituição e, a partir de hoje, assumo a presidência da República para o período 2019-2025. Estou aqui, pronto, de pé, para democraticamente conduzir o rumo da nossa Pátria a um futuro melhor, a um destino superior. Cumprimos e continuaremos a cumprir a Constituição» e a defender a «democracia para o nosso povo», disse o presidente Nicolás Maduro no decorrer da tomada de posse, citado pela VTV.

Na cerimónia, que teve lugar no Supremo Tribunal de Justiça (STJ), em Caracas, o chefe de Estado venezuelano afirmou que, com este acto, «se reafirma a paz da República» e acrescentou: «Digo ao povo: esta faixa é tua, este poder é teu, não da oligarquia, não do imperialismo; é do povo soberano da Venezuela».

Na sua intervenção, já depois de empossado, Nicolás Maduro sublinhou a solidez da democracia venezuelana, um país onde, desde a chegada do Comandante Hugo Chávez ao poder, se realizaram 25 eleições – 23 das quais foram vencidas pelas «forças revolucionárias».

Insistiu que, no país caribenho, existe uma «democracia sólida, profunda, popular e revolucionária, da classe trabalhadora, dos humildes, dos trabalhadores, do povo», e «não uma democracia das elites e dos magnatas».

Lembrou ainda, a este propósito, que no passado dia 20 de Maio foi reeleito como chefe de Estado, tendo obtido 67,84% dos votos.

No seu discurso, recordou também a campanha mediática criada contra a Venezuela. «Há pelo menos 20 anos que o país é submetido a uma campanha de manipulação», disse, sublinhando a necessidade de o país se defender «da manipulação, da mentira, das emboscadas».

Apelo à defesa da liberdade, da soberania e da integração

Nicolás Maduro disse que o mundo é maior que o imperialismo norte-americano e os seus governos satélites. «Há um mundo de pé e a Venezuela está na primeira linha dessa batalha», afirmou, fazendo um apelo aos povos do mundo para que retomem as bandeiras da defesa da liberdade e da independência.

Destacou também a importância de reforçar os blocos de integração regional – Unasul, Celac, ALBA –, que «estão a ser seriamente ameaçados porque se pretende impor novamente a ideologia intolerante, imperialista, intervencionista que caracterizou o século XX da América Latina e das Caraíbas», indica a TeleSur.

A cerimónia de tomada de posse de Nicolás Maduro como presidente da Venezuela foi reconhecida, pelo menos, por 112 países, refere a mesma fonte, tendo contado com a presença de diversos chefes de Estado e primeiros-ministros, além de delegações de alto nível de países de todos os continentes.

Nicolás Maduro terá ainda de se apresentar na Assembleia Nacional Constituinte, de modo a ser reconhecido pelo órgão plenipotenciário que convocou as eleições presidenciais de 20 de Maio.

Tópico