|Bolívia

Evo Morales: «A terra é de quem a trabalha»

O presidente boliviano celebrou o Dia da Revolução Agrária na companhia de milhares de compatriotas, em Yapacaní, tendo valorizado o crescimento económico que o país conheceu com as nacionalizações.

Milhares de pessoas participaram nas comemorações do dia da Revolução Agrária, em Yapacaní (Bolívia)
Milhares de pessoas participaram nas comemorações do dia da Revolução Agrária, em Yapacaní (Bolívia)Créditos / Evo Morales Ayma

Na sua conta de Twitter, Evo Morales agradeceu às milhares de pessoas que ontem se juntaram em Yapacaní, no departamento de Santa Cruz, para celebrar o Dia da Revolução Agrária, Produtiva e Comunitária, e, dirigindo-se aos trabalhadores do sector, afirmou: «Graças ao esforço do povo boliviano, eliminámos o colonialismo e a opressão, e hoje garantimos que a terra é para quem a trabalha.»

«Durante [o período da] colónia ensinaram-nos o termo senhor, [mas,] reflectindo, chegamos a um pensamento de libertação que vem do sofrimento e da discriminação», escreveu na mesma rede social, onde também afirmou que, ontem, era dia de «prestar homenagem» à Mãe Terra (Pachamama).

«Unidade do povo para uma nova Bolívia»

Ao intervir na sessão comemorativa de Yapacaní, Evo Morales destacou a importância da unidade do povo para acabar com «o Estado republicano, racista e discriminatório» e criar «um Estado plurinacional, solidário e inclusivo, onde todos contam com os mesmos direitos e os recursos naturais são respeitados», indica a Prensa Latina.

A este propósito, o presidente boliviano sublinhou a importância da união de vontades entre o povo, os movimentos sociais e o Estado «em prol da recuperação da pátria», tendo salientado o enorme crescimento económico registado no país nos 12 anos de vigência da Revolução Cultural e Democrática, que mais salta à vista quando comparado com o do período imediatamente precedente (1994-2005).

O chefe de Estado lembrou que a Bolívia é líder sul-americano, há quatro anos consecutivos, em termos de crescimento económico e que tal é consequência «da nacionalização dos recursos naturais, da recuperação de empresas estratégicas para o país e da fase mais recente de industrialização».

Referiu-se ainda ao facto de o país deter a mais baixa taxa de desemprego da região – 4,48% –, que o seu governo está a procurar diminuir, tendo em conta que, entre 2014 e 2015, esse indicador rondava os 2%.

A terra nas mãos do povo boliviano

Abordando a questão da terra, Morales lembrou que 2 de Agosto marca o início do mês da Mãe Terra no país – que a comunidade indígena originária designa como Pachamama –, e disse que ela tem sido «generosa e fornecedora de riquezas, sobretudo depois de tantos anos de exploração, nos tempos da colónia e da República».

«Graças à unidade do povo», os recursos naturais, «antes em poder dos estrangeiros», estão «agora nas mãos dos bolivianos», disse, lembrando, para além disso, que, «em mais de uma década, foram entregues aos camponeses e indígenas a maior parte das terras para cultivo», grandes extensões de território que antes estavam nas mãos dos latifundiários.

Com a instituição, em 2007, do Dia da Revolução Agrária, Produtiva e Comunitária – entre 1953 e 2006 celebrava-se nesta data o Dia do Índio –, o governo do Estado Plurinacional da Bolívia pretendeu assinalar a nova política agrária que impulsionou, marcada pela distribuição de terras aos agricultores com baixos recursos e pela subvenção da compra de sementes para os pequenos e médios produtores.

De acordo com dados do Instituto Nacional da Reforma Agrária divulgados pela Agência Boliviana de Informação (ABI), 80% dos 103 milhões de hectares de terra para cultivo foram saneados e entregues entre 2006 e 2017.

O processo envolveu 2,1 milhões de beneficiários e a entrega de um milhão de títulos de propriedade, refere ainda a ABI.

Tópico