|EUA

Emigrantes cubanos nos EUA iniciam caravana contra o bloqueio

Dezenas de emigrantes partiram, este domingo, de Miami (Florida) com destino à capital dos EUA para exigir o fim do bloqueio económico, comercial e financeiro que Washington impõe à Ilha.

Dezenas de emigrantes cubanos participam na caravana com rumo a Washington para reclaamr o fim do bloqueio a Cuba 
Dezenas de emigrantes cubanos participam na caravana com rumo a Washington para reclaamr o fim do bloqueio a Cuba Créditos / Prensa Latina

O cubano-americano Carlos Lazo, que coordena o projecto «Puentes de Amor», sublinhou a importância da caravana que ontem partiu de Miami. «Vamos percorrer cerca de 2000 quilómetros até Washington D.C. e, no dia 25 de Julho, juntamo-nos aí, no Parque Lafayette, frente à Casa Branca, para entregar milhares de petições com a reivindicação do levantamento das sanções unilaterais contra a ilha caribenha», disse Lazo.

«Vão chegar milhares de pessoas de todos os Estados Unidos, vamos atravessar o país, passaremos pelo Centro Martin Luther King Jr., em Atlanta, Geórgia, vamo-nos reunir ainda com congressistas para lhes manifestar o nosso desejo de que o presidente Joe Biden elimine este cerco unilateral e reabra a embaixada em Havana», disse Lazo via Facebook, este domingo, no início da caravana para Washington.

«Queremos também que os norte-americanos possam viajar ao país antilhano, que haja pontes de amor entre os povos de Cuba e os Estados Unidos», referiu.

No contexto da caravana, informa a Prensa Latina, um grupo de activistas juntou-se este sábado na cidade de Tampa (Florida), onde, no século XIX, o herói nacional cubano José Martí esteve dezenas de vezes, tendo ali realizado um intenso trabalho para unir a emigração cubana na luta contra a colonização espanhola.

Ali, frente ao monumento que homenageia Martí, o coordenador principal do projecto «Puentes de Amor», acompanhado por dezenas de pessoas, reclamou o fim das sanções unilaterais de Washington contra Cuba.

Reivindicações dos participantes na iniciativa

As iniciativas para exigir o fim do bloqueio imposto pelos Estados Unidos a Cuba prosseguiram este domingo, sendo que, entre os seus promotores, figuram grupos de emigrantes cubanos membros da Coalición Alianza Martiana e outras associações, indica a Prensa Latina.

Os participantes na caravana exigem, em particular, a reabertura dos serviços consulares da embaixada norte-americana em Havana e o envio de remessas para a Ilha.

De acordo com Lazo, os participantes exigem igualmente à administração de Joe Biden a retoma do plano de reunificação familiar suspenso pelo anterior presidente, Donald Trump, em 2017.

Pretendem ainda continuar com a recolha de fundos para a compra de seringas e, assim, apoiar a campanha de vacinação contra a Covid-19 em Cuba, uma vez que o cerco de Washington restringe o acesso a insumos médicos.

Na última quarta-feira, pela 29.ª vez desde 1992, a maioria esmagadora dos países (184) exigiu na Assembleia Geral da ONU o levantamento do bloqueio a Cuba, tendo aprovado uma nova resolução que exige o fim do cerco imposto há quase seis décadas por Washington. Só os Estados Unidos e Israel votaram contra, ficando isolados.

Tópico