|País Basco

Elevada sinistralidade laboral no País Basco

Um trabalhador faleceu, esta quarta-feira, na pedreira de Igantzi (Navarra). É o 3.º acidente laboral mortal em 5 dias no território foral e o 47.º ocorrido no País Basco este ano.

A maioria dos sindicatos bascos promoveu uma concentração frente à Deputação Foral em Vitoria-Gasteiz para denunciar a sinistralidade laboral, exibindo uma faixa em que lê «Mais acidentes de trabalho não. A precariedade mata» 
A maioria dos sindicatos bascos promoveu uma concentração frente à Deputação Foral em Vitoria-Gasteiz para denunciar a sinistralidade laboral, exibindo uma faixa em que lê «Mais acidentes de trabalho não. A precariedade mata» Créditos / LAB

O acidente laboral mortal desta quarta-feira ocorreu por volta das 13h, quando um camião se virou durante uma descarga de material. Os serviços de emergência acorreram ao local, nas pedreiras de Igantzi, mas já não puderam fazer nada, segundo informam os portais eitb.eus e gedar.eus.

Trata-se do terceiro acidente de trabalho mortal ocorrido em Navarra no espaço de cinco dias. No sábado passado um trabalhador residente em Berriozar (arredores de Pamplona) foi atropelado por uma pá carregadeira de uma Caterpillar. Na segunda-feira, um trabalhador de 37 anos faleceu na sequência de um acidente in itinere, em Azkoien, quando seguia de moto para o seu trabalho.

ELA exige maior controlo público das condições de segurança nas empresas

Perante o falecimento, esta quarta-feira, do terceiro trabalhador em Navarra no espaço de cinco dias, o sindicato ELA reclama à administração de Navarra que aumente os meios públicos de controlo das condições de segurança nas empresas.

Num comunicado, a organização sindical afirma que a sinistralidade laboral aumentou 30% desde 2012, sublinhando que 40% das mortes em acidentes de trabalho têm como causa directa a falta de implementação de medidas de segurança por parte das empresas.

Lembrando que, com esta morte, são já 47 os trabalhadores mortos em acidentes laborais este ano no País Basco, o ELA reclama o «abandono de políticas ineficazes» e apela aos trabalhadores que se organizem e mobilizem em defesa de melhores condições de trabalho.

Concentração em Vitoria-Gasteiz, junto à Deputação Foral alavesa

Também esta quarta-feira, a maioria dos sindicatos bascos – ELA, LAB, ESK, STEILAS, EHNE e HIRU – promoveram uma concentração na capital da Comunidade Autónoma Basca, para denunciar a morte num acidente laboral, na passada segunda-feira, em Zanbrana (Álava/Araba), de um trabalhador de 38 anos, quando lidava com tarefas florestais.

O falecido trabalhava para a empresa Contrachapados Archena, subcontratada pela Deputação Foral alavesa, revela o sindicato LAB no seu portal.

Os mesmos sindicatos e a CGT irão denunciar amanhã a sinistralidade laboral em Pamplona, frente ao Parlamento navarro.

Tópico