|25 de Abril

Museu pede «memórias de Abril» para partilhar no dia 25

O Museu do Aljube, fisicamente encerrado devido à pandemia em curso, apela aos que viveram o 25 de Abril para partilharem, no Facebook da instituição, memórias e histórias vividas do Dia da Liberdade.

O Museu do Aljube – Resistência e Liberdade, em Lisboa, lançou um apelo ao público para que registasse vídeos ou textos com memórias do 25 de Abril e os partilhasse com a instituição, por e-mail ou mensagem de Facebook.

O museu encontra-se fisicamente encerrado devido às medidas de emergência decretadas para responder à pandemia do novo coronavírus, as quais incluem também o confinamento de pessoas, tanto funcionários da casa como o público.

No apelo lançado por intermédio desta rede social lembra-se que o museu está habitualmente «de portas abertas no dia 25 de Abril» e explica-se que, «confinados às nossas casas, abrimos as portas do Museu aqui, no Facebook», para que «se juntem a nós, nesse dia, através de memórias, histórias que nos queiram contar, momentos que queiram partilhar. Queremos ouvir as vossas Memórias de Abril».

Os depoimentos podem ser registados em vídeo, pelo telemóvel (não mais de dois minutos, recomenda o museu), ou serem escritos e enviados por mensagem privada no Facebook, ou por correio electrónico para o endereço memoriasdeabril@museudoaljube.pt.

Importante é que as histórias cheguem até dia 15 de Abril, para que algumas dessas memórias possam ser partilhadas no dia 25 de Abril, juntamente com outras, já existentes em arquivo. Porque sem memória não há futuro, lembra o Museu do Aljube.

Tópico