|ditadura

Exposição homenageia presos políticos de Pinhal Novo

A Câmara de Palmela presta homenagem aos presos políticos de Pinhal Novo, vítimas da PIDE, com uma exposição itinerante que estará no Cine-Teatro São João, a partir desta terça-feira.

O Município de Palmela pretende aprofundar o estudo e a divulgação do empenho, dedicação e abnegação dos opositores ao fascismo
O Município de Palmela pretende aprofundar o estudo e a divulgação do empenho, dedicação e abnegação dos opositores ao fascismoCréditos / desenvolturasedesacatos.blogspot.pt

«A PIDE em Pinhal Novo – Para que a memória não esmoreça», é o título da mostra organizada pelo Município de Palmela para homenagear os que, ao longo de 48 anos, foram vítimas da ditadura fascista.

O trabalho está em itinerância pelo concelho, depois de ter sido inaugurado em 2017, em Pinhal Novo, aquando do lançamento do livro com o mesmo nome, da autoria de José António Cabrita (Colecção Estudos Locais – Câmara Municipal de Palmela).

O Município admite numa nota de imprensa que pretende dar continuidade à parceria com o autor, «para aprofundar o estudo e a divulgação do que foi o empenho, a dedicação e a abnegação de quem lutou e sofreu, em nome da justiça e dos direitos sociais e políticos e da melhoria das condições de vida».

José António Cabrita estudou e ensinou Sociologia, tendo-se dedicado, também, à investigação de diversos temas, entre os quais, a cultura caramela e a historiografia de Pinhal Novo.

Nesta obra sobre a acção da Polícia Internacional e de Defesa do Estado (PIDE), o autor explora o arquivo documental da polícia política e dá voz a vários testemunhos de quem passou pelas prisões do Tarrafal ou de Peniche, bem como dos seus familiares e amigos.

O livro A PIDE em Pinhal Novo – Para que a Memória não esmoreça estará à venda no Cine-Teatro S. João durante o período da exposição, de 3 de Abril a 11 de Maio.

Tópico