|Televisão

Bom dia, pequena-burguesia

O papel central da fórmula da sátira em televisão é o estímulo de novas ferramentas críticas para que as nossas opções para o tempo de lazer sejam escolhas conscientes.

<em>Pôr do Sol</em> (2021) é uma série portuguesa transmitida pela RTP1. Na foto, os actores João Baptista e António Melo
Pôr do Sol (2021) é uma série portuguesa transmitida pela RTP1. Na foto, os actores João Baptista e António MeloCréditosPedro Sadio e Rui Pedro Pereira / N-TV

A RTP estreou há 15 dias, em horário nobre, Pôr do Sol – uma série que pretende satirizar o modelo de telenovelas portuguesas contemporâneas, com guião de Henrique Cardoso Dias e realização de Manuel Pureza. Um dia depois da sua estreia, corria no Twitter um pequeno excerto com um diálogo absurdo entre dois dos protagonistas. Dois dias depois, Pôr do Sol era um dos temas mais mencionados naquela rede social e o programa de entretenimento do momento.

A fórmula da sátira em televisão à sua própria programação não é nova. O seu papel central é o estímulo de novas ferramentas críticas para que as nossas opções para o tempo de lazer sejam escolhas conscientes. Sabemos, também, que a sátira, quase inevitavelmente, não é imune ao moralismo. Qualquer crítica social corre sempre o risco de partir de um pressuposto moral, entrando em contradição, muitas vezes, com a intenção de criticar fenómenos moralistas (a religião, o gosto ou a má-fé na gestão financeira, por exemplo). O moralismo é um círculo vicioso para o qual a sátira nem sempre é a melhor ferramenta crítica.

«A partir de ideias preconcebidas sobre as características da aristocracia rural e da classe trabalhadora (rural e operária), do empreendedorismo não-académico e do bairrismo, os autores vão caricaturar cada grupo social como se a sua forma de vida fosse uma escolha de cada um»

O sucesso de Pôr do Sol deve muito ao moralismo. Apesar de um conjunto de piadas aleatórias com mais ou menos qualidade, o argumento de Pôr do Sol inspira-se nas relações de poder dentro das quais nasce um conjunto de problemáticas tradicionais – amorosas e familiares. Partindo destes enredos, os autores vão encontrar uma forma de ridicularizar o objeto da sátira – as telenovelas. A opção encontrada para o efeito é o agravamento de estereótipos. A partir de ideias preconcebidas sobre as características da aristocracia rural e da classe trabalhadora (rural e operária), do empreendedorismo não-académico e do bairrismo, os autores vão caricaturar cada grupo social como se a sua forma de vida fosse uma escolha de cada um.

O resultado da igualdade na atribuição de estereótipos é uma crítica social cristalizada, errada e perversa. O lugar caricaturável de um aristocrata não é o mesmo de um trabalhador e morador em Alfama. O aristocrata faz um conjunto de opções na sua vida que o tornam uma caricatura de si mesmo. O morador histórico de Alfama (tipicidade que o autor representa como sendo maioritária no bairro, transformando a sátira em anacronismo) não tem esse conjunto de opções. Mas para o moralista pós-moderno tudo são opções e tudo o que não se enquadra nos códigos da sofisticação cosmopolita e contemporânea merece o mesmo tipo de tratamento satírico, fazendo equivaler opções sociais, culturais e estéticas. No fundo, o autor não retira do objeto da sátira aquilo de que precisa, limitando-se a introduzir nesse objeto os seus próprios preconceitos. Esses mesmos preconceitos também existem em relação à família aristocrata, o que é apenas entediante, dado que a maioria desses preconceitos são lugares-comuns estafados sobre uma realidade que, em boa verdade, foi substituída.

«São as telenovelas que vão introduzir, muitas vezes, certos temas na vida de muitos dos seus telespectadores. Sem as ferramentas necessárias, a disponibilidade mental e o estímulo para a leitura, a relação de muita gente com o que se passa no mundo acontece com esta programação»

Para além desse anacronismo e da jactância pseudo-elitista, a opção pela sátira ao formato e ao enredo das novelas também deve levantar algumas questões críticas. Talvez seja importante lembrar que as telenovelas são o único produto de entretenimento disponível no horário tradicionalmente mais comum para o lazer. São as telenovelas que vão introduzir, muitas vezes, certos temas na vida de muitos dos seus telespectadores. Sem as ferramentas necessárias, a disponibilidade mental e o estímulo para a leitura, a relação de muita gente com o que se passa no mundo acontece com esta programação. Ela não está isenta de críticas, bem pelo contrário. Mas o cumprimento desse papel não deve ser menosprezado e muito menos ridicularizado pelo moralismo de um grupo que vê no gosto um critério de avaliação.

Há, por fim, uma curiosidade notada por um amigo, há dias. Alguns dos atores de Pôr do Sol são protagonistas nas mesmas telenovelas que estão ali a satirizar. Este fenómeno merece uma atenção especial, não só pela dimensão do meio audiovisual em Portugal, como pela ausência da possibilidade de escolha no trabalho artístico, demonstrando que o ator tem tanta liberdade de escolha como o técnico de luz. Desde que dê para pagar as contas, tudo se faz.

Um guião verdadeiramente crítico e corajoso seria um que olhasse para o mundo das produtoras, para a sua relação com as estações de televisão, para as promiscuidades dos grupos de media com outros agentes do meio e para o tratamento dado à classe trabalhadora, atores incluídos. Seria interessante uma sátira que demonstrasse bem o momento em que se decide que tipo de produtos nos são dados, com que recursos e quem são as pessoas que tomam essas decisões. Porque pôr um ator a gozar consigo próprio é fácil – difícil é a autocrítica.

O «bom dia, classe operária» que o ator Tó Melo cunhou, já se popularizou em muitas das nossas interações e é um sinal de identificação que demonstra bem a noção que ainda temos do nosso papel numa luta de classes que não é mera caricatura. Apesar de, por vezes, nos sentirmos distantes da tal «classe operária», não deixamos de sentir na pele que é ali que pertencemos. Na verdade, aquela frase poderia muito bem ser usada numa telenovela qualquer (daquelas com audiências a sério) e teria ainda maior impacto. É muito importante que o conforto da jactância não nos impeça de ver isso, porque nesse caso os alienados seríamos nós – os sofisticados com tiques de uma outra classe.

Enquanto vivermos todos debaixo destas circunstâncias, seremos todos essa classe operária, essa classe onde por vezes uns acedem aos mais elementares direitos, como a cultura, com mais facilidade. E este não deve ser um motivo de sátira, mas sim de luta.


O autor escreve ao abrigo do Acordo Ortográfico (AO 90)

Tópico