|literatura

Ana Margarida de Carvalho vence Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco

O livro Pequenos Delírios Domésticos, de Ana Margarida de Carvalho, venceu o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco, atribuído pela Associação Portuguesa de Escritores.

Ana Margarida de Carvalho
Ana Margarida de CarvalhoCréditos / The Booklovers

«Um júri constituído por Cândido Oliveira Martins, Fernando Batista e Isabel Cristina Mateus decidiu, por unanimidade, atribuir o prémio ao livro Pequenos Delírios Domésticos, de Ana Margarida de Carvalho», lê-se no comunicado da Associação Portuguesa de Escritores (APE).

Segundo o júri, «trata-se de um conjunto de contos que surpreende o leitor pela invulgar actualidade temática e sociológica (dos incêndios que devastaram o país, em 2017, aos dramas íntimos de portugueses convertidos ao Estado Islâmico, de refugiados sírios num lar de velhos ou de uma mulher tunisina que dá à luz num barco apinhado de gente durante a travessia do Mediterrâneo, entre outros)».

A escritora alia a estas histórias «um notável trabalho de precisão e depuramento da palavra e, acima de tudo, um olhar atento aos dramas humanos, independentemente do lugar mais ou menos doméstico que lhes serve de palco», afirma o júri, em acta citada pela APE.

A estreia literária de Ana Margarida de Carvalho, Que importa a fúria do mar, valeu-lhe o Grande Prémio de Romance e Novela da APE, em 2013, que voltou a receber em 2016 com Não se pode morar nos olhos de um gato, que foi também distinguido com o Prémio Manuel Boaventura.

Jornalista, Ana Margarida de Carvalho, foi finalista este ano do Prémio P.E.N. na categoria narrativa, com esta sua primeira obra de contos.

O Grande Prémio, com o valor pecuniário de 7500 euros, é patrocinado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e será entregue em data a anunciar, segundo a mesma fonte.

O Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco foi instituído, em 1991, pela APE e «destina-se a distinguir uma obra em língua portuguesa de um autor português ou de país africano de expressão portuguesa, publicada em livro, 1.ª edição, no decurso do ano de 2017».

Tópico