|acordo colectivo de trabalho

Trabalhadores em greve contra «discriminação inadmissível» no Hospital de Braga

Os trabalhadores das carreiras gerais do Hospital de Braga estão hoje em greve, em protesto contra a «discriminação» de que consideram estar a ser vítimas fruto da não aplicação dos acordos colectivos de trabalho.

Trabalhadores do Hospital de Braga em greve protestam contra a injustiça de que são alvo, uma vez que continuam a ser vítimas da discriminação face aos trabalhadores de outras unidades hospitalares que estão abrangidos pelo acordo colectivo de trabalho da Saúde. Braga, 20 de Julho de 2020.
CréditosHugo Delgado / Lusa

O coordenador do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Norte (STFPSN(CGTP-IN), Orlando Gonçalves, disse à Lusa que a não aplicação dos acordos colectivos de trabalho (ACT) resulta em «inadmissíveis e surreais situações de discriminação», tanto em termos salariais como de horários de trabalho e de carreira.

«Os ACT aplicam-se em todos os hospitais do País, menos no de Braga. Há mais de um ano que andamos nesta luta, mas o Governo insiste neste braço-de-ferro, continua a adiar, a empurrar com a barriga», criticou.

O Hospital de Braga foi gerido pelo Grupo Mello Saúde até 31 de Agosto de 2019, data a partir da qual a gestão passou para a esfera pública.

«Estamos desde essa altura à espera da aplicação dos ACT mas, até à data, nada. Em Abril, foi-nos apresentada uma proposta de adesão, manifestámos o nosso acordo, mas o impasse mantém-se, com manifesto prejuízo dos trabalhadores», apontou Orlando Gonçalves.

Segundo o sindicalista, em causa estão cerca de 800 trabalhadores das carreiras gerais, sobretudo assistentes operacionais, mas também assistentes técnicos.

Orlando Gonçalves disse que estes trabalhadores cumprem 40 horas, não têm direito à carreira e ganham menos do que aqueles que entretanto ingressaram no Hospital de Braga.

«Há assistentes técnicos com mais de dez anos de casa que estão a ganhar 645 euros, quando os que entraram depois da mudança da gestão já ganham 693. São situações injustas, surreais, inadmissíveis», sublinhou.

Segundo o sindicato, a greve de hoje regista uma adesão superior a 90 por cento.


Com agência Lusa

Tópico