Trabalhadores dos call centers da EDP protestam contra a precariedade

Os trabalhadores dos call centers da EDP, com vínculo laboral às empresas prestadoras de serviços Randstad e Manpower, protestaram ontem contra a sua situação de precariedade e por aumentos salariais.

Trabalhadores dos call centers da EDP na Manifestação Nacional da Juventude, realizada ontem
Trabalhadores dos call centers da EDP na Manifestação Nacional da Juventude, realizada ontemCréditos / Jorge Caria

Os trabalhadores com vínculo laboral, na esmagadora maioria dos casos a termo certo ou incerto, nas empresas Randstad Prestação de Serviços e ManpowerGroup Solutions Unipessoal, realizaram greve e concentram-se em frente à Assembleia da República, inserindo-se na Manifestação Nacional da Juventude.

O protesto teve o objectivo de exigir respostas ao contexto de elevada precariedade em que laboram os cerca de 2150 trabalhadores adstritos ao contrato de prestação de serviços celebrado entre aquelas multinacionais de trabalho temporário e o utilizador EDP – Energias de Portugal. Os manifestantes entregaram aos grupos parlamentares uma moção onde expressam a sua posição.

«Os trabalhadores reivindicam, de forma mais ampla, a sua integração no quadro do pessoal da EDP»

O documento expõe que há trabalhadores a laborar para a EDP há mais de 25 anos, «em actividades de primeira linha e imprescindíveis para que aquela cumpra as suas obrigações legais de distribuidor e comercializador de energia, assegurando ainda actividades internas que garantem o funcionamento dos seus próprios serviços».

Os trabalhadores também se manifestam contra a intransigência das administrações destas empresas em aumentar os salários. A Randstad aplicou o aumento de um euro por mês a grande parte deles em 2016, «apesar do seu elevado grau de qualificação académica e profissional», acusam os trabalhadores, acrescentando que, tanto a empresa Randstad como a ManpowerGroup «não respeitam a negociação com as representações sindicais de trabalhadores nas empresas», neste caso o Sindicato das Indústrias Eléctricas do Sul e Ilhas (SIESI) e o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Centro Norte (SITE CN).

Os trabalhadores reivindicam, de forma mais ampla, a sua integração no quadro do pessoal da EDP, uma vez que, não só se identificam como sendo daquela empresa junto dos seus clientes, como realizam, exclusivamente, tarefas e operações correntes na actividade do utilizador. A resolução sublinha que os trabalhadores prestam actividade em instalações pertencentes à EDP, os equipamentos e instrumentos de trabalho são propriedade da EDP e o seu horário de trabalho é determinado pelas necessidades da EDP.