|greve

Trabalhadores do grupo Navigator avançam para greve de 4 dias

Face à intransigência da administração do grupo The Navigator Company, os trabalhadores decidiram fazer greve entre os dias 13 e 16, defendendo reivindicações salariais e a revisão do plano de carreiras.

A Navigator propõe o aumento variável de salários num valor abaixo da inflação
A greve abrange todos os trabalhadores dos complexos fabris do grupo Créditos / litoral magazine

Em plenários realizados nas várias empresas do grupo, os trabalhadores confirmaram a determinação de fazer greve entre as 0h de dia 13 e as 24h de dia 16, revela a Fiequimetal (CGTP-IN) no seu portal.

A greve abrange todos os trabalhadores dos complexos fabris do grupo, em Aveiro, Vila Velha de Ródão (Castelo Branco), Figueira da Foz (Coimbra) e Setúbal, revela a mesma fonte, admitindo que os operários «também recusem todo o tipo de trabalho suplementar em qualquer momento, seja antes, durante ou depois daqueles quatro dias de paralisação».

A intransigência da administração do grupo, nos mais de seis meses de negociação, esteve na base da «decisão de avançar para esta forma de luta», por parte dos trabalhadores, que, em conjunto com as suas organizações representativas, exigem «a atribuição imediata, a todos os trabalhadores, das categorias profissionais e dos salários correspondentes às funções desempenhadas».

Reivindicam ainda a «compensação monetária» aos operários que, durante largos anos, estiveram desenquadrados das respectivas categorias e salários correspondentes às funções que desempenhavam.

Outro aspecto das reivindicações prende-se com a valorização dos trabalhadores e das suas carreiras profissionais, devendo ser constituído um Plano de Carreiras aplicável a todas as empresas do grupo The Navigator Company que, entre outros aspectos, preveja que as promoções sejam imediatamente aplicadas, logo que um trabalhador assuma o posto ou postos de trabalho de forma autónoma.

Tópico