|Arsenal do Alfeite

Trabalhadores do Alfeite exigem novas contratações

A acção, organizada pela comissão de trabalhadores e pelo sindicato do sector, terá lugar junto ao Ministério das Finanças, para reivindicar a admissão de 42 trabalhadores e a progressão nas carreiras.

Trabalhadores denunciam que a situação «está a comprometer a indispensável modernização e o desenvolvimento do único estaleiro naval público em Portugal»
Créditos / Arsenal do Alfeite

Em comunicado, o Sindicato dos Trabalhadores Civis das Forças Armadas, Estabelecimentos Fabris e Empresas de Defesa (STEFFAs/CGTP-IN) afirma que a situação da Arsenal do Alfeite se tem agravado «de dia para dia». A empresa estatal aguarda há dois anos e meio por autorização do Governo para a admissão de 42 trabalhadores e, no decorrer deste período, o número de efectivos foi reduzido devido a aposentações.

Além disso, a estrutura sindical declara que 43 dos efectivos reúnem condições para serem promovidos, mas aguardam, na maior parte dos casos, há cerca de ano e meio por autorização do Governo.

Considerando inaceitável a demora, bem como os sucessivos constrangimentos ao investimento e modernização do estaleiro, decidiu o sindicato e a comissão de trabalhadores convocar um plenário geral de trabalhadores para amanhã.

Durante a parte da manhã, os trabalhadores reúnem-se no refeitório da empresa, pelas 10h30, a fim de discutir a situação e aprovar moções a serem entregues ao Conselho de Administração e ao ministro das Finanças.

A seguir ao almoço, os trabalhadores partem para Lisboa, em autocarros fretados para o efeito, a fim de se concentrarem junto ao Ministério das Finanças, onde se prevê que cheguem pelas 14h. Na concentração estará presente o secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos.

Tópico