|insolvência

Trabalhadores da ex-Alicoop conseguiram suspensão das penhoras

No seguimento da contestação dos trabalhadores da ex-Alicoop, o Banco Bic suspendeu as suas penhoras ilegítimas até que seja esclarecida a situação. O Banco de Portugal afirma que vai analisar o caso.

Concentração dos ex-trabalhadores da Alicoop em Lisboa
Concentração dos ex-trabalhadores da Alicoop em Lisboa, 26 de FevereiroCréditos / CESP

Em comunicado, o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP/CGTP-IN) relatou que o Banco Bic, liderado pelo ex-ministro das Finanças do PS Teixeira dos Santos, decidiu suspender de imediato as execuções em curso e quaisquer futuros processos, durante 90 dias, e interpor acção declarativa em tribunal para aclarar a decisão.

Por sua vez, o Banco de Portugal, que os trabalhadores acusavam de ter sido um «mero balcão de despacho da banca privada», comprometeu-se a analisar o processo e a realizar uma reunião futura com os representantes dos trabalhadores.

Para o CESP, a mudança de postura do Banco Bic resultou da «denúncia» e «organização» dos trabalhadores que, inconformados, decidiram lutar até que «a inexistente dívida que está a ser executada com penhoras aos trabalhadores seja anulada e os seus nomes retirados da lista de incumpridores do Banco de Portugal».

No passado dia 26 de Fevereiro, mais de uma centena de ex-funcionários da antiga Alicoop deslocaram-se a Lisboa para exigir o que chamam de «perseguição ilegitíma» do Banco Bic, que quis incutir a dívida da empresa sobre os trabalhadores, e a inoperância do Banco de Portugal.

Em ambos os protestos, os ex-trabalhadores entregaram exposições ao presidente do Banco Bic e ao governador do Banco de Portugal, exigindo o «fim da perseguição» e devolução do «dinheiro indevidamente cobrado», assim como a retirada dos seus nomes da «lista negra», colocados lá devido às acções do Banco Bic.

No seguimento do caso, o CESP insiste na necessidade dos trabalhadores se mantenham alerto e afirma ainda que procedeu ao envio das exposições aos grupos parlamentares, ao Governo e ao Presidente da República. Além disso, solicitará a intervenção da Procuradoria-Geral da República, pois «são evidentes as violações dos direitos básicos dos trabalhadores e das decisões judiciais, transitadas em julgado»

Tópico