|despedimento colectivo

SPAL anuncia despedimento de 38 trabalhadores

A Sociedade de Porcelanas de Alcobaça (SPAL), no concelho da Nazaré, que beneficiou do regime de lay-off, procede agora ao despedimento colectivo, num processo que chama de «vital». 

Créditos / Zankyou.pt

Segundo informação oficial da empresa, este despedimento colectivo insere-se num «processo de restruturação mais abrangente», destinado «à viabilidade futura» da empresa. 

O alerta para esta situação tinha sido dado em finais de Julho pelo PCP, através de comunicado, no qual denunciava que a SPAL, apesar de ter recebido apoios públicos, através do regime de lay-off, não pagou 85% do valor dos subsídios de férias. 

Perante a confirmação do despedimento colectivo por parte da empresa, os comunistas acusam-na de ter criado o «clima necessário» para que os trabalhadores se vissem na contingência de aceitar uma rescisão por mútuo acordo, «não lhes garantindo o que era seu por direito».

Simultaneamente, frisam que os trabalhadores da SPAL «são parte da solução», e não o «principal obstáculo» ao equilíbrio da empresa, «como a administração quer fazer crer».

Tópico