|indústria automóvel

Hutchinson recorre ao lay-off e aumenta carga horária

Nas fábricas da Hutchinson, o surto epidémico tem sido pretexto para avançar na retirada de direitos, nomeadamente no que diz respeito aos horários de trabalho.

Créditos / CGTP-IN

A multinacional Hutchinson tem agravado a exploração dos trabalhadores com o pretexto do surto epidémico, denuncia o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Sul (SITE Sul/CGTP-IN) num comunicado.

O SITE Sul sublinha que, apesar de ter recorrido ao «apoio extraordinário à manutenção dos contratos de trabalho», a empresa despediu trabalhadores, manteve alguns em casa com cortes salariais, por via da aplicação do lay-off simplificado, e exigiu a outros a prestação de trabalho extraordinário, atitude que o sindicato considera ser uma «contradição ilegal».

«Desde o início da pandemia, as fábricas da Hutchinson em Portalegre e Campo Maior têm utilizado este grave problema de saúde pública para retirar direitos», lê-se na nota.

O sindicato critica ainda a implementação de um banco de horas, «pela primeira vez», na fábrica de Campo Maior, e a alteração dos horários das pausas em Portalegre.

Tópico