|salários em atraso

Greve na Padaria Nacional de Guimarães

Cansados de esperar que a empresa cumpra e de receber «o seu mísero salário em prestações», os trabalhadores decidiram marcar uma greve para o dia 1 de Setembro, informa o Sindicato da Hotelaria do Norte.

Créditos / Pixabay

A greve tem como objectivos o pagamento de todas as dívidas aos trabalhadores, o pagamento pontual da retribuição mensal e o cumprimento integral do PER (plano de recuperação da empresa), informa a estrutura sindical num comunicado de imprensa.

«A Padaria Nacional de Guimarães recorreu a um PER há cinco anos e devia ter pago os créditos detidos pelos trabalhadores em 60 prestações». Contudo, a «empresa apenas pagou duas prestações, e só o fez porque os trabalhadores reclamaram», explica o Sindicato da Hotelaria do Norte (SHN/CGTP-IN).

Depois, mesmo com as reclamações de trabalhadores e sindicato, «a empresa não pagou mais nenhuma prestação», tendo para tal alegado que «podia pagar todos os créditos no final». «Ora, terminado o prazo, a empresa não pagou as dívidas que tem aos trabalhadores», esclarece o texto.

O SHN lembra ainda que a aprovação do PER pressupunha «o pagamento pontual dos salários» e que, apesar disso, a Padaria Nacional de Guimarães nunca pagou pontualmente o salário mensal: pagou-o sempre em duas ou três prestações mensais.

Por isso, os trabalhadores decidiram avançar para a greve no dia 1 de Setembro, no âmbito da qual irão realizar uma concentração, às 9h, junto à sede da empresa, em Guimarães.

Tópico