|SEP

Enfermeiros param quatro dias em Novembro

O SEP entregou um pré-aviso de greve para 17, 22 e 23 deste mês, após nova reunião negocial com a tutela sobre a reposição dos pontos para progressão na carreira. A 18 há greve geral da função pública. 

Paralisação insere-se nas iniciativas regionais do SEP
Créditos

Na última reunião, em 26 de Outubro, o Ministério da Saúde entregou uma proposta de projecto de decreto-lei, que foi analisada nos órgãos do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP/CGTP-IN), que enviou três dias depois uma contraproposta, por escrito, relativa ao projecto de decreto-lei sobre a «contagem de pontos» para efeitos de mudança de posição remuneratória.

No final da reunião de hoje, a dirigente do SEP, Guadalupe Simões, disse que, relativamente à contraproposta que apresentaram, «o Ministério da Saúde apenas evoluiu relativamente ao pagamento dos retroactivos ser feito ainda em 2022 (75% do valor), mas não evoluiu relativamente ao momento que incide sobre o pagamento desses retroactivos».

Guadalupe Simões disse que a exigência do SEP é que o pagamento dos retroactivos seja a partir de 2018.

«O Governo não evolui na sua posição, manteve 2022, e relativamente a uma série de outras questões, que têm a ver com injustiças de posicionamento relativo entre os enfermeiros, também não se mostrou disponível para resolver esses problemas e, portanto, o sindicato entregou um pré-aviso de greve no Ministério da Saúde» para os dias 17, 22 e 23 de Novembro, anunciou a dirigente sindical. A estes acresce o dia de greve geral, que a Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública (CGTP-IN) marcou para o dia 18 deste mês. 

Até lá, o SEP está disponível para «discutir, negociar e resolver os problemas com os quais os enfermeiros estão confrontados». «Não podemos admitir que, tendo o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses ganho o processo em tribunal, no que diz respeito ao pagamento de retroactivos a 2018», o Ministério da Saúde esteja «agora muito mais recuado do que a decisão dos tribunais», afirmou Guadalupe Simões.

«Nem conseguimos perceber como é que, com uma decisão em tribunal de pagamento de retroactivos a 2018, o Ministério da Saúde apresente uma proposta de pagamento a 2022». Portanto, acrescentou, não havendo evolução por parte do Ministério da Saúde relativamente a esse ponto, o SEP não pode defraudar a expectativa dos enfermeiros e, mais do que isso, manter discriminações que «existem e continuarão a existir na carreira». 


Com agência Lusa

Tópico