|greve

Empresa que gere Hospital da Arrábida pressiona trabalhadores

Trabalhadores do call center do Hospital da Arrábida, em Vila Nova de Gaia, estão a ser pressionados pela empresa para aceitar rescindir contrato ou passarem para instalações na Póvoa do Varzim. Realizaram uma greve na segunda-feira.

 O Hospital da Arrábida é uma das sete unidades hospitalares privadas da Luz Saúde
O Hospital da Arrábida é uma das sete unidades hospitalares privadas da Luz SaúdeCréditos / portugalio.com

O Sindicato da Hotelaria do Norte (CGTP-IN) denunciou, esta segunda-feira, a pressão exercida pela empresa que gere o Hospital da Arrábida, o Grupo Luz Saúde, aos trabalhadores do call center.

Em causa está a pressão para que rescindam contratos ou sejam transferidos para instalações da Póvoa do Varzim, pelo que o sindicato considera que é «inaceitável» que obriguem os trabalhadores a mudar de local ou que ameaçem «que perdem os seus direitos», considerando que «é possível manter o call center em Gaia ou redistribuir os trabalhadores por outras funções».

A situação motivou uma greve na última segunda-feira, à qual aderiram dez trabalhadores, sendo que os restantes 12 ou já assinaram novo contrato ou aceitaram a transferência, informou o sindicato.

Numa nota enviada à imprensa, o sindicato afirmou que «a empresa entregou uma proposta de acordo de cessão contratual aos trabalhadores e disse-lhes que, ou aceitavam ou iam embora sem direitos, dando-lhes um prazo máximo de um dia útil para decidirem», acrescentando que o Grupo Luz Saúde «pretende que os trabalhadores passem para uma nova empresa do grupo e nada dizem sobre os direitos da contratação colectiva, apenas referem a antiguidade».

Tópico