|EDP

EDP deve garantir «um serviço público de energia» e não «a compra e venda de activos»

A Fiequimetal considera que o Governo não deve autorizar o negócio da EDP, que alienará as concessões de exploração de seis centrais hídricas, numa potência de 1,7 GW, por 2,2 mil milhões de euros.

António Mexia lidera a empresa mais lucrativa, a EDP, com um salário de 2,5 milhões de euros anuais
CréditosTiago Petinga / Agência LUSA

Foi anunciada a intenção do Governo de analisar a venda «caso a caso», mas, para a Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Eléctricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas (Fiequimetal/CGTP-IN) o que é necessário é «parar o processo».

Numa nota à comunicação social, em que também se pronuncia sobre a situação dos trabalhadores directamente afectados, a federação sublinha que, a concretizar-se, «esta escandalosa operação deixaria o País ainda mais dependente, do ponto de vista energético, porquanto o centro de decisão passaria para as mãos de um consórcio francês, formado pela Engie, Crédit Agricole Assurances e Mirova».

A federação solicitou uma nova reunião ao Governo, com carácter de urgência, e vai tomar uma iniciativa idêntica junto dos grupos parlamentares.

«Não se pode aceitar, por outro lado, que a administração da EDP esteja a afastar-se, cada vez mais, dos princípios que nortearam a criação da empresa e que esta se esteja a tornar uma central de compra e venda de activos, em vez de uma empresa de serviço público de electricidade.», afirma.

E os trabalhadores?

A administração da EDP afirmou que estão garantidos os direitos dos trabalhadores, incluindo o direito de optarem por continuar na empresa. Mas, no entender dos sindicalistas, há razões para esperar que as garantias da EDP não tenham em conta as necessidades e os anseios dos trabalhadores para o seu futuro.

«A administração da EDP estará de má-fé a exercer pressão sobre os trabalhadores para aceitarem a transferência para o novo patrão?», pergunta, acrescentando que, segundo a lei, todos os direitos estarão garantidos por 12 meses, mas que o problema é depois:«A que condições laborais estarão os trabalhadores sujeitos na nova empresa?».

As centrais em causa ficam no distrito de Bragança: Miranda, Bemposta, Picote, Foz do Tua, Baixo Sabor e Feiticeiro.

Tópico