|Misericórdias

Dois dias de greve na Misericórdia de Vila Nova de Famalicão

Reunidos em concentração frente ao lar S. João de Deus da Santa Casa da Misericórdia de Famalicão, os trabalhadores exigiram o fim da «pressão e repressão de que têm sido alvo».

CréditosNuno Fox / Lusa

A greve arrancou hoje, dia 27, e ainda se vai prolongar ao longo de todo o dia de amanhã, 28 de Janeiro, acompanhada por uma concentração e desfile dos funcionários da Misericórdia de Vila Nova de Famalicão. Os trabalhadores avançaram para estas acções de protesto com o intuito de demonstrar o seu descontentamento perante as «más condições de trabalho que se têm vindo a agudizar desde o início da pandemia», denuncia o comunicado do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP/CGTP-IN).

Estas «trabalhadoras estiveram sempre na linha da frente perante a pandemia Covid-19», abdicando da sua «vida pessoal quando foi preciso dar resposta aos utentes da instituição». Seria apenas natural que, neste contexto, a Misericórdia reconhece-se o esforço e profissionalismo dos funcionários, em vez de agravar a sua condição laboral.

Cansados «dos horários desregulados, com apenas uma folga semanal, que não permitem a conciliação da sua vida pessoal e familiar», do «assédio laboral, pressão e repressão de que têm sido alvo», e da «falta de condições de higiene» da instituição, que não lhes permite «cuidar dos utentes com brio e zelo», mais de 30 trabalhadores estiveram hoje reunidos à porta da instituição.

Para além da resolução destes problemas, os funcionários da Misericórdia de Vila Nova de Famalicão exigem o pagamento do trabalho suplementar, a liberdade sindical dentro da instituição, que tem sido alvo de «bloqueio por parte da direcção» e a contratação dos trabalhadores com postos de trabalho efectivo.

«Esta direcção não reconhece o esforço e profissionalismo dos trabalhadores». Não existindo diálogo por parte deste orgão, os trabalhadores da Santa Casa da Misericórdia, com o apoio do CESP, não se vão deixar intimidar, avançando para a luta pelos seus direitos. O desfile de amanhã vai ter inicio às 14h30, na rotunda Bernardino Machado, terminando com uma concentração na sede da Santa Casa da Misericórdia.

Tópico