Auchan obrigada a recuar no despedimento de dois trabalhadores

A empresa pretendia despedir por extinção do posto de trabalho, após encerramento de loja, mantendo os trabalhadores com vínculos precários. Intervenção do sindicato obrigou a retalhista a recuar. 

Créditos / Hipersuper

Foi no passado mês de Maio que a My Auchan encerrou a sua loja da Avenida do Brasil, em Lisboa. O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP/CGTP-IN) refere, através de comunicado, que a empresa pretendia fazer o despedimento por extinção do posto de trabalho de dois funcionários da loja que já estavam com contrato efectivo.

«Alegando a reestruturação da empresa, procuravam despedir estes trabalhadores, desculpando-se [por] não ter na respectiva área geográfica outro posto de trabalho disponível e compatível com as suas funções», enquanto os restantes trabalhadores com contratos precários «foram recolocados noutras lojas».

O CESP requereu então a intervenção da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), que deu razão ao sindicato e aos trabalhadores, que acabaram por ser transferidos para outras lojas da Auchan. O sindicato acrescenta que a empresa continua a pretender abrir novas lojas, «estando já anunciada a abertura de mais algumas».