|Madeira

Adesão à greve na Águas e Resíduos ronda os 100%

Na base do protesto de 48 horas está o aumento dos salários, entre outras reivindicações. Esta manhã, os trabalhadores concentraram-se em frente à residência oficial do presidente do Governo Regional. 

Os trabalhadores responsabilizam a ARM por terem chegado a esta situação já que, sustentam, tem «bloqueado todas as negociações»
Os trabalhadores responsabilizam a ARM por terem chegado a esta situação já que, sustentam, tem «bloqueado todas as negociações» Créditos / aguasdamadeira.pt

Decidida após a realização de vários plenários de trabalhadores da Águas e Resíduos da Madeira (ARM), a acção foi convocada pelo Sindicato das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente, do Centro Sul e das Regiões Autónomas (SITE CSRA/CGTP-IN). 

Entre outras medidas, os trabalhadores exigem um acordo de empresa que valorize o trabalho e os trabalhadores, aumentos reais dos salários, o fim das discriminações nos pagamentos diferenciados do subsídio de alimentação, melhores condições de segurança e saúde no trabalho, além da contratação de mais trabalhadores.

Num comunicado dirigido aos trabalhadores da ARM, o SITE CSRA defende que os únicos responsáveis pelo recurso à greve são a administração da empresa, por não se ter «esforçado minimamente para encontrar soluções», e o Governo Regional.

Em causa, a atitude «irredutível» dos representantes da administração da empresa de capitais exclusivamente públicos, na última reunião de tentativa de conciliação entre as partes, realizada na Direcção Regional do Trabalho, a 12 de Abril.

Esta manhã, concentraram-se em frente à residência oficial do presidente do Governo Regional na expectativa de serem recebidos por Miguel Albuquerque. Tal não aconteceu e um assessor assumiu o compromisso de entregar o documento com as reivindicações dos trabalhadores.

De acordo com o SITE CSRA, a forte adesão ao protesto «prova o grande descontentamento» por parte dos trabalhadores. Em todas as estações de tratamento de água funcionaram apenas os serviços mínimos. Na Estação de Tratamento de Resíduos Sólidos da Meia Serra, na freguesia da Camacha, e na Estação de Transferência da Zona Leste e de Triagem, no Porto Novo, concelho de Santa Cruz, a laboração esteve encerrada nos turnos da manhã. 

Esta greve começou às 0h de hoje e termina às 24h de terça-feira, 24 de Abril. A ARM emprega mais de 700 trabalhadores.

Tópico