|solidariedade

Solidariedade com os presos palestinianos no Museu do Aljube

No âmbito do Dia Internacional de Solidariedade com os Presos Palestinianos, que se assinala a 17 Abril, MPPM e URAP promovem uma sessão solidária, esta terça-feira, às 18h, em Lisboa.

Mais de 120 presos palestinianos juntaram-se à greve de fome iniciada por duas dezenas de camaradas nas cadeias israelitas
No final de Março estavam detidos nas cadeias israelitas mais de 4500 presos palestinianos Créditos / alwaght.com

O MPPM – Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente – e a URAP – União de Resistentes Antifascistas Portugueses – «convocam a solidariedade com os presos e detidos palestinianos vítimas da repressão israelita e a sua libertação, no contexto mais geral da luta do povo palestiniano pelo reconhecimento dos seus legítimos direitos», afirmam-se numa nota de divulgação do evento.

A sessão de solidariedade com os presos e detidos administrativos palestinianos nas prisões de Israel conta com o apoio do Museu do Aljube – Resistência e Liberdade, onde irá decorrer.

Yasim Qasim (Aliança Europeia de Apoio aos Presos Palestinianos), Francisco Canelas (direcção da URAP) e Carlos Almeida (vice-presidente do MPPM) irão intervir. Os interessados em participar deverão inscrever-se previamente através do e-mail inscricoes@museudoaljube.pt.

No final de Março, notam os organizadores da sessão, estavam detidos nas prisões de Israel 4450 palestinianos, incluindo 140 menores e 37 mulheres. Destes, 440 encontram-se em regime de detenção administrativa, «uma prática que permite a detenção, sem culpa formada ou julgamento, prorrogável indefinidamente, e que evoca as infames "medidas de segurança" do fascismo português».

A temática dos presos é «uma das questões políticas centrais para uma solução justa da questão palestiniana, a par do fim da ocupação da Cisjordânia e do cerco da Faixa de Gaza, do estatuto de Jerusalém e do direito ao retorno dos refugiados», sublinham.

Tópico