|Educação

Escolaridade da população activa em Portugal é muito inferior à média da UE

Um estudo divulgado pelo economista Eugénio Rosa refere que estes valores, apesar dos fundos comunitários recebidos, continuam a representar um obstáculo ao desenvolvimento do País.

 Biblioteca da Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa
Biblioteca da Faculdade de Arquitectura da Universidade de LisboaCréditos / ondelisboa.com/

Com dados da Eurostat, o economista pretende responder às declarações de Elisa Ferreira, actual membro da Comissão Europeia, que no passado dia 20 de Junho se mostrava surpreendida por Portugal, «com tantos anos de apoio [de fundos comunitários]», se encontrar ainda entre os países atrasados da União Europeia (UE).

Considerando este comentário «insólito» e «surpreendente» vindo de quem, durante vários anos, foi ministra do Planeamento e do Ambiente de um governo PS e, até recentemente, vice-governadora do Banco de Portugal, Eugénio Rosa sublinha que basta comparar o nível de escolaridade com a média dos países da UE, assim como o investimento feito na Educação.

Apesar da diminuição importante no nosso país da população com idade entre os 25 e 64 anos apenas com o Ensino Básico (entre 2009 e 2020, reduz-se de 70,3% para 44,6%), em 2020, essa população em percentagem (44,6%) era ainda mais do dobro dos países da UE (21%), revela o economista.

Por outro lado, e  apesar do aumento da população com idade entre os 25 e 64 anos com o Ensino Secundário e Superior (entre 2009 e 2020, aumentoude 32,3% para 58,8%), em 2020, essa população em percentagem (58,8%) era ainda inferior em 20,8 pontos percentuais à dos países da UE (79,6%), refere o estudo.

Comparando a taxa de crescimento percentual da despesa pública com a Educação (total e no Ensino Superior), em Portugal e nos países mais desenvolvidos da UE, o estudo conclui que, no período entre 2015 e 2018, a taxa de Portugal foi cerca de três vezes inferior à desses países, o que determinou o acentuar do atraso do nosso país.

Por exemplo, entre 2013 e 2018, a despesa pública total com a Educação aumentou em Portugal 6,4%, quando na Bélgica cresceu 12,7%, na Alemanha 18,2%, na Holanda 13,6%.

No Ensino Superior, em relação a muitos destes países, a disparidade em relação a Portugal ainda foi maior: Bélgica: +16,9%; Alemanha: + 19,2%, Holanda: +25%, Portugal apenas + 4,5%, o que significa um crescimento médio inferior a 1%.

Tópico