|Professores

A direita demagógica e populista

O CDS, depois do partido dos agricultores e dos contribuintes, pretendia agora apresentar-se também como o partido dos professores. A todos ofereceu uma mão cheia de nada!

CréditosMiguel Pereira da Silva / Agência Lusa

As declarações de Assunção Cristas e Rui Rio, mostram como o PSD e o CDS andam há muito tempo a procurar passar pelos intervalos da chuva, no que se refere à questão da contagem total do tempo de serviço dos professores e das outras carreiras especiais da Administração Pública.

Na verdade, nunca tiveram esse objectivo, até porque aquilo que os move não é, nem nunca foi, a valorização remuneratória dos trabalhadores, sejam do público ou do privado, como comprovam as suas políticas, nomeadamente o brutal corte nos rendimentos e nos direitos dos trabalhadores e dos reformados que o anterior governo do PSD/CDS promoveu.

A direita andou ao longo de todo este tempo, através de promessas vãs, de projectos de lei ocos, de meias palavras e refugiando-se, como fez agora o CDS, na complexidade do processo parlamentar, a gerir o seu manobrismo no sentido de se poderem apresentar às eleições como os partidos «amigos» dos professores.

No entanto, desta vez, não resistiram à chantagem do PS. Depois de entradas de leão têm saídas de sendeiro, evidenciando mesmo alguma desorientação na gestão da sua acção demagógica e populista.    

Ou será que o diabo voltou à casa de partida?

Tópico