|Agricultura

Agricultores em luta pela soberania alimentar

A concretização do estatuto da agricultura familiar e de um Orçamento do Estado que apoie o mundo rural são algumas das reivindicações dos agricultores, que hoje protestaram frente ao Parlamento.

CréditosAntónio Cotrim / Lusa

A acção organizada pela Confederação Nacional da Agricultura (CNA), que terminou esta tarde, frente à Assembleia da República, juntou delegações de agricultores e dirigentes associativos para reclamar melhores políticas para a agricultura familiar e a defesa da soberania alimentar do País, quando no Parlamento se discutia o Orçamento do Estado para 2021.

Pedro Santos, dirigente da CNA, sublinhou ao AbrilAbril que a crise motivada pelo surto epidémico de Covid-19 «veio provar que é muito importante existir uma reserva de alimentos» e que os vários países e regiões «possam garantir a resposta às necessidades alimentares das populações, em proximidade».

Estes princípios de soberania alimentar deveriam ser, segundo o dirigente, a base da política agrícola nacional, porque garantem também uma alimentação de qualidade e a nutrição adequada.

No entanto, a política seguida pelos sucessivos governos não dá centralidade à agricultura familiar e esta é «votada ao esquecimento», afirma Pedro Santos, acrescentando que, mais uma vez, neste Orçamento do Estado, o estatuto – que já está vertido em Lei – continua a não ser acompanhado por medidas concretas e dotação orçamental.

Apesar das «justas reclamações» dos agricultores e das suas organizações, o dirigente observa que o Ministério da Agricultura e o Governo não tomam as medidas necessárias, continuando a «centrar as atenções apenas no grande agro-negócio» com vocação exportadora, e desvalorizam a «grande maioria dos agricultores que abastece os mercados de proximidade» e contribui para a redução da dependência alimentar do exterior.

«A agricultura familiar fixa populações e garante a sustentabilidade do meio ambiente e a biodiversidade. É também por isso que estamos hoje em luta, exigindo outras políticas agro-rurais e outro Orçamento», afirmou o dirigente.

Tópico