|Saúde

Urgência pediátrica do Hospital Garcia de Orta vai encerrar todas as noites

Depois de uma reunião com a administração do Garcia de Orta, em Almada, a Comissão de Utentes do Seixal disse que a urgência pediátrica vai encerrar todas as noites, já a partir do dia 18 de Novembro. 

Hospital Garcia de Orta, Almada
Hospital Garcia de Orta, AlmadaCréditosMário Cruz / Agência Lusa

«A partir de dia 18 passa a encerrar todas as noites dos sete dias da semana», disse à Lusa José Lourenço, da Comissão de Utentes de Saúde do Concelho do Seixal, depois de uma reunião com a administração do Garcia de Orta.

Este serviço encerrou por diversas vezes durante a noite em outubro por falta de especialistas, levando o hospital a implementar um modelo de encerramento no período nocturno aos fins-de-semana, até 18 de Novembro.

No entanto, segundo o utente, a urgência pediátrica vai passar a estar aberta durante o dia, também ao fim-de-semana, mas fecha todas as noites, a partir das 21h até às 8h30 do dia seguinte, «pelo menos durante o prazo de seis meses».

Estas informações foram transmitidas pela administração, segundo José Lourenço, que considerou a medida «preocupante». «Vai aumentar a angústia que os utentes têm tido nestes últimos tempos, pela expectativa de, numa situação de emergência, terem que ir para Lisboa com os condicionalismos que existem na Ponte 25 de Abril», explicou.

Já a comissão de utentes, vai fazer «um pedido de reunião urgente» à ministra da Saúde, Marta Temido. Além disso, tem já em vista uma acção de protesto para dia 18 de Novembro, quando se iniciará o encerramento nocturno, equacionando «uma vigília dentro do hospital», caso seja autorizada.

A falta de pediatras no Garcia de Orta já afecta o hospital há mais de um ano, quando saíram 13 profissionais e, segundo o Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS/FNAM), nem o lançamento de concursos foi suficiente para colmatar a carência porque «ninguém concorreu».

Actualmente, trabalham 28 médicos no serviço de pediatria, dos quais sete fazem urgência e apenas quatro podem fazer noites porque têm menos do que 55 anos.

Com agência Lusa

Tópico