|mobilidade

Uma petição para reforçar a segurança do IP3

Os utentes da via rodoviária que liga Coimbra a Viseu lançaram uma petição para exigir obras urgentes com o objectivo de reduzir o número de acidentes.

Entre 1991 e 2017, só num percurso de 20 quilómetros, registaram-se 1825 acidentes no IP3, com 1836 feridos e 123 mortos
Entre 1991 e 2017, só num percurso de 20 quilómetros, registaram-se 1825 acidentes no IP3, com 1836 feridos e 123 mortosCréditos / Jornal do Centro

Apesar de ser considerada uma via estratégica para a mobilidade e o desenvolvimento da Região Centro, o Itinerário Principal (IP) 3 integra a lista das estradas mais perigosas do País.

Motivos que levaram a Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3 a lançar uma petição, na qual reivindicam a melhoria e o alargamento da via, alertando desde já que a intervenção não deve ser usada como pretexto para a introdução de portagens, tendo em conta exemplos verificados na região, como é o caso do antigo IP5.

Os signatários exigem que se proceda com urgência à reparação do piso, «em particular as brechas no pavimento, em Espinheira e Souselas, se nivele a plataforma onde há abatimentos», e que as barreiras e os taludes sejam reforçados e reparados, designadamente os que foram afectados pelos incêndios do último ano. 

Os utentes apelam à correcção dos «graves problemas de segurança», dando como exemplo as curvas mais apertadas, inclinações acentuadas, zonas onde se formam lençóis de água e estrangulamentos de via, responsáveis por «muitas colisões e despistes». Só nos últimos dois anos, registaram-se quase 400 acidentes no IP3, que vitimaram cinco pessoas.  

Na petição, apela-se ainda ao alargamento da via para quatro faixas e à instalação do separador central em toda a sua extensão, bem como ao melhoramento dos nós de acesso às povoações e às zonas industriais.

Tópico