|energias renováveis

Setúbal quer ser (ainda) mais verde

Através da suspensão parcial do Plano Director Municipal (PDM), o município conseguiu viabilizar dois projectos de energias renováveis: uma central fotovoltaica e uma de produção de hidrogénio verde.

Créditos / setubal-ontemhojefuturo.pt/

O PDM (documento que determina à estratégia de desenvolvimento territorial de cada município) em vigor em Setúbal, no presente, teve a sua aprovação em 1994, distante ainda de integrar as preocupações e exigências do momento actual no que toca à modernização e ecologização das formas de produção de energia limpa.

«Embora o município de Setúbal já tenha aprovado em Setembro de 2021 a revisão do PDM, que incorpora e adequa na planificação do território respostas a várias problemáticas ambientais e climáticas da actualidade», informa o comunicado da Câmara Municipal de Setúbal (CMS), o mesmo só ainda não entrou em vigor por estar pendente de ratificação do Governo.

Neste quadro, a CMS viu-se forçada a suspender o PDM para avançar com os dois projecto, que pela sua importância no actual contexto de aumento dos preços da electricidade e da urgência de encontrar modos de produção verdes, se afiguram indispensáveis.

Com um valor de investimento a rondar os 17,5 milhões de euros, a nova central fotovoltaica comportará 24 megawatts de potência nominal com recurso a energia solar e entrega total da produção à Rede Elétrica de Serviço Público. 

No que toca à central de produção de hidrogénio verde, que resulta da separação eléctrica da molécula de hidrogénio na água, envolverá custos superiores a 10,6 milhões de euros, sendo posteriormente capaz de produzir 870,6 toneladas de hidrogénio verde por ano.

«A área de implementação destes projectos totaliza 45,87 hectares na zona de Poçoilos, concelho de Setúbal, e compreende um conjunto de prédios rústicos e urbanos» de uso industrial.

A presente deliberação terá ainda de ser submetida à apreciação da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região de Lisboa e Vale do Tejo, para emissão de parecer, sendo posteriormente levada a aprovação pela Assembleia Municipal.

Tópico