|Setúbal

Concelho de Alcácer do Sal representa 30% da produção nacional de arroz

Seca ameaça produção de arroz no Litoral Alentejano

O presidente da Câmara Municipal de Alcácer do Sal, Vítor Proença, reuniu esta quarta-feira com o ministro da Agricultura para solicitar medidas que reduzam os perigos da seca na produção de arroz. 

Segundo contas reveladas pelo município de Alcácer do Sal, a não produção de arroz causaria um prejuízo de 12 mil milhões de euros ao País, com especial impacto naquela região
Segundo contas reveladas pelo município de Alcácer do Sal, a não produção de arroz causaria um prejuízo de 12 mil milhões de euros ao País, com especial impacto naquela regiãoCréditos / Cida Garcia/Flickr

A acompanhar o presidente na reunião com Capoulas Santos estiveram representantes da Associação de Regantes, da Associação de Agricultores de Alcácer, da Aparroz e da Soprasado, que expuseram a situação de seca e os riscos de não se conseguir produzir arroz em 2018.

Num comunicado, a Câmara de Alcácer do Sal recorda que «os canteiros começam a encher no final de Abril/início de Maio», e que, actualmente, «a Barragem de Vale do Gaio só dispõe de 12% de água e a do Pego do Altar de 9%».

Por outro lado, defende-se que «na impossibilidade de produzir arroz, os solos da região, demasiado salinizados, inviabilizam a opção por culturas alternativas com mínimos aceitáveis ou qualquer rendimento». Acrescentando que, a não produção de arroz «causaria ainda um prejuízo de 12 mil milhões de euros ao País (que teria de proceder à importação do mesmo)», e far-se-ia sentir particularmente na região, nomeadamente na manutenção dos postos de trabalho destas associações.

A curto prazo, o presidente e os orizicultores solicitaram ao ministro da Agricultura a redução do custo da importação da água de Alqueva, mas este «respondeu que não consegue, nem tem capacidade para o diminuir».

A comitiva apontou sugestões ao ministro da Agricultura, como a condução da água do Alqueva às barragens de Vale do Gaio e Pego do Altar, «o que é tecnicamente possível», e a possibilidade de criação de mais duas barragens, «que chegaram a estar projectadas e que permitiriam aproveitar água que não está a ser devidamente usufruída». Salientaram ainda que se poderia aproveitar a água do Sado, convertendo-se em água doce, realçando que teriam de construir-se diques para separar a água do seu sal.

Refere-se no comunicado que, num sentido mais imediato, «o ministro comprometeu-se a explorar todos os mecanismos que o Estado prevê e permite em situações de seca severa, e que não passam por decisões da União Europeia».

Os agricultores pediram apoio para fazer face aos «prejuízos incalculáveis» que vão ter e que «sejam accionadas linhas de crédito bonificadas, que não estão a ser disponibilizadas aos produtores do vale do Sado». 

Entretanto, o presidente da Câmara de Alcácer do Sal informou que vai solicitar uma reunião ao ministro do Ambiente e que vai continuar a procurar soluções a médio prazo e também medidas que minimizem os prejuízos para estes produtores.

Tópico