|Saúde

Profissionais de saúde exigem nova maternidade junto aos Covões

Um grupo de médicos realiza uma tribuna pública em Coimbra para defender a construção da nova maternidade no espaço do Hospital dos Covões e denunciar a «ruptura iminente» das actuais unidades. 

Hospital Geral dos Covões
Hospital Geral dos CovõesCréditos / Notícias de Coimbra

Na convocatória para a acção desta tarde, a decorrer junto à Praça 8 e Maio, estes profissionais demonstram-se preocupados com as condições em que as maternidades de Coimbra actualmente funcionam e com a possibilidade anunciada pela ministra da Saúde, de incluir a nova maternidade no Bloco Central dos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC).

No entender dos clínicos, a proposta avançada por Marta Temido vai sobrecarregar «ainda mais» o espaço e agravar os problemas do trânsito e do estacionamento, agudizando o congestionamento de serviços que resultou da criação do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), com a fusão das duas unidades até aí existentes – Centro Hospitalar de Coimbra (CHC) e HUC.

«A Maternidade Bissaya Barreto e a Maternidade Daniel de Matos são serviços importantes, com profissionais de excelência, que sofreram com a deterioração das instalações e com o desinvestimento, agravados pela concentração da administração das unidades hospitalares de Coimbra, que desestruturou serviços, equipas e equipamentos», denunciam num comunicado.

Insistem que a construção de uma nova maternidade deve responder às necessidades actuais, sem «esconder que são necessários investimentos e intervenções urgentes para salvaguardar o funcionamento» das actuais maternidades. Entretanto, e até que se construa a nova unidade, os médicos exigem a aquisição de «equipamento moderno» e a contratação de pessoal, a fim de reforçar e rejuvenescer as equipas multidisciplinares. 

Sulinham que a instalação da nova maternidade no espaço do Hospital Geral dos Covões «permitirá aproveitar a capacidade instalada e reduzir custos de implantação e de construção». Por outro lado, afirmam, seria uma «boa oportunidade» para reverter «uma dinâmica de perda de valências» naquele hospital. 

Tópico