|Ambiente

No Seixal, a grande aposta é na biodiversidade

No total, o novo Parque Metropolitano da Biodiversidade do Seixal abrangerá uma área superior a 400 hectares, transformando-se no segundo maior parque urbano de toda a Área Metropolitana de Lisboa.

Vista aérea do novo Parque Urbano do Seixal 
Vista aérea do novo Parque Urbano do Seixal Créditos / Câmara Municipal do Seixal

Os eixos centrais deste novo parque, que se perspectiva um dos maiores dos distritos de Lisboa e Setúbal e representa um importante passo na defesa da ecologia e da protecção ambiental na região, já estão bem definidos pela Câmara Municipal do Seixal (CMS): «promover a educação ambiental e o contacto com a natureza e possibilitar a dinamização de actividades desportivas e recreativas, duma forma consciente e sustentável».

A primeira fase de construção do Parque Metropolitano da Biodiversidade, localizado na Verdizela, freguesia de Corroios, conta com uma área de 7 hectares, mas não se vai ficar por aí. O espaço abrangido pelo parque crescerá, no futuro, quase 60 vezes em relação ao seu tamanho original, abarcando uma área superior a 400 hectares.

Em comunicado enviado ao AbrilAbril, a CMS informa que já «decorrem os trabalhos de execução de rede de abastecimento de água, eletricidade, sinalética, vedações e as fundações para a implantação do mobiliário urbano». O investimento municipal será superior a 547 mil euros.

«Perto das praias e em estreita ligação com a vizinha mata da Quinta da Apostiça, com as suas lagoas, flora e outros interesses naturais, o parque será dotado de percursos para caminhadas, jogging e passeios de bicicleta, fazendo ligação à Rede de Trilhos de Interpretação Ambiental do Município do Seixal».

O parque contará ainda com equipamento de suporte para bicicletas, delimitação do estacionamento, iluminação solar com tecnologia LED e também um Espaço de Educação Ambiental, bem como equipamentos de apoio, instalações sanitárias, sala multiusos e um miradouro.

Tópico