|Saúde

Faltam pelo menos 100 enfermeiros no Litoral Alentejano

A Coordenadora das Comissões de Utentes e o SEP promovem uma acção esta sexta-feira, junto ao Hospital do Litoral Alentejano, para denunciar a falta de profissionais.

Utentes e enfermeiros alertam: falta de profissionais coloca em risco segurança dos doentes
Utentes e enfermeiros alertam: falta de profissionais coloca em risco segurança dos doentesCréditos / claritywatertech.com

A situação verificada na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) «põe em causa o normal funcionamento deste importante serviço público», revela o comunicado conjunto da Coordenadora das Comissões de Utentes do Litoral Alentejano e do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP/CGTP-IN).

«Só no que diz respeito à falta de enfermeiros, o próprio conselho de administração já tornou público que na ULSLA faltam pelo menos 100 enfermeiros, havendo outros a serem despedidos porque os seus contratos não estão a ser renovados», lê-se no texto.

A não contratação destes profissionais, admite-se, poderá fazer com que «se fechem camas em vários serviços, levando a que menos utentes sejam operados, ou então, para não fecharem camas, reduzem o número de enfermeiros por turno, colocando em risco a segurança dos utentes».

Os promotores da iniciativa realçam ainda «a grave falta» de médicos de diversas especialidades, como pediatria, urologia, cardiologia e ginecologia, mas também de assistentes operacionais, e exigem a tomada de medidas por parte do Governo de modo a corrigir «necessidades prementes». 

A concentração realiza-se amanhã, pelas 17h30, em frente ao Hospital do Litoral Alentejano.

Tópico