Centro de Saúde de Algueirão Mem-Martins é, no concelho de Sintra, o que tem menor número de médicos

Faltam médicos no Centro de Saúde de Algueirão Mem-Martins

A Comissão de Utentes da Saúde do Concelho de Sintra promoveu uma acção de protesto junto ao Centro de Saúde de Algueirão Mem-Martins onde cerca de 200 utentes aguardavam pela abertura da porta.

Marcar consulta no Centro de Saúde de Algueirão Mem-Martins obriga a longas filas de espera
Marcar consulta no Centro de Saúde de Algueirão Mem-Martins obriga a longas filas de esperaCréditos

A iniciativa realizada na manhã de ontem teve como objectivo alertar para o «agravamento continuado e deliberado das condições de acesso ao Serviço Nacional de Saúde (SNS)», designadamente a situação que se vive no Centro de Saúde de Algueirão Mem-Martins. Desde o passado mês de Dezembro que vários médicos saíram do centro de saúde sem serem substituídos.

Os utentes que eram acompanhados por estes profissionais denunciam que foram transferidos para outros centros de saúde do concelho sem o seu consentimento e  quem não acompanhar o seu médico corre o risco de ficar sem médico de família.

A situação contribui para agravar a percentagem de utentes sem médico de família, que já era superior a 50% nesta unidade de saúde. A comissão de utentes informa que, dos 12 médicos actualmente ao serviço, quatro não têm estado a dar consulta. Além destes profissionais, exige-se também a contratação de enfermeiros de família para todos os utentes, de modo a evitar as «longas filas de espera» para marcar e obter a consulta do dia.

As instalações são outro aspecto que preocupa a população. Os utentes falam de horas ao frio e à chuva para aceder ao centro de saúde, e por isso exigem a construção de um equipamento «digno». O actual equipamento funciona num prédio de habitação em Mem-Martins.

Um hospital público em Sintra

Num inquérito realizado aos utentes, que se encontravam à espera da distribuição de senha para a marcação de consulta, a comissão apurou que cerca de 86% não tem médico de família, enquanto 94% dos utentes consideraram a construção de um hospital público em Sintra como muito importante.

A comissão de utentes afirma que a acção insere-se num conjunto de vigílias e protestos que tem vindo a realizar ao longo dos anos. Em causa está, não apenas a denúncia das «indignas condições de funcionamento de muitas das unidades de saúde do concelho de Sintra» e a exigência de médico e enfermeiro de família para todos os utentes do SNS, mas também a «luta pela construção de um hospital público em Sintra».