CDU reivindica abertura imediata de novas turmas na Escola Dr. Mário Madeira

Crianças da Pontinha a quatro quilómetros da escola

A situação não é nova mas foi agravada pelo encerramento de turmas na Escola Básica Dr. Mário Madeira, numa decisão conjunta do agrupamento e da Câmara de Odivelas, que obriga as crianças da Pontinha a frequentarem estabelecimentos fora da vila. 

https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/alleventsin.jpg?itok=6vN6vV57
CDU defende que abertura de turmas na Escola Dr. Mário Madeira permitiria o regresso dos alunos colocados fora da vila
CDU defende que abertura de turmas na Escola Dr. Mário Madeira permitiria o regresso dos alunos colocados fora da vilaCréditos / allevents

A denúncia parte dos pais e encarregados de educação, que esta tarde organizam um protesto contra a solução adoptada, mas também da CDU, que tem acompanhado as preocupações destas famílias. 

Num comunicado entregue à população, a coligação realça que, «com o aproximar do início do ano lectivo, confirma-se, mais uma vez, que a Escola Dr. Mário Madeira, na Pontinha, faz falta e que a CDU tinha razão quando sempre defendeu a sua manutenção face ao número de alunos existentes neste território».

Apesar de as escolas básicas existentes na vila não terem vagas suficientes para as crianças que ali residem, a CDU denuncia que «o agrupamento, com a conivência da Câmara Municipal de Odivelas», decidiu eliminar o número de turmas e de anos na Dr. Mário Madeira, abrindo o ano lectivo com apenas duas turmas de quarto ano.

A CDU reitera a exigência da abertura de turmas nesta escola, o que permitiria o regresso dos alunos que foram, entretanto, reencaminhados para outras escolas da freguesia da Pontinha, designadamente para a Serra da Luz, a cerca de quatro quilómetros de distância. 

«Esta situação acarreta despesas acrescidas para as famílias, desorganização da vida familiar e não favorece a aprendizagem e a plena integração das crianças e das famílias na comunidade», lê-se no comunicado.

Apesar disso, numa resposta escrita enviada à agência Lusa, a Câmara de Odivelas realçou que a área de residência não é um critério prioritário na distribuição dos alunos pelos diferentes estabelecimentos de ensino.

0 Comentários

no artigo "Crianças da Pontinha a quatro quilómetros da escola