|Venezuela

Venezuela acusa EUA e Colômbia de apoiarem a «incursão armada mercenária»

A vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, denunciou o apoio de EUA e Colômbia à falhada «incursão terrorista» no estado costeiro de La Guaira, que contou com a cumplicidade da extrema-direita.

A tentativa de invasão foi abortada devido à pronta resposta das forças militares e policiais venezuelanas; na imagem, algum do material apreendido
A tentativa de invasão foi abortada devido à pronta resposta das forças militares e policiais venezuelanas; na imagem, algum do material apreendido Créditos / @TarekWiliamSaab

Numa conferência de imprensa que ontem deu no Palácio de Miraflores (sede do governo), a vice-presidente afirmou que, nas próximas horas, o executivo venezuelano apresentará «provas contundentes» que evidenciam o envolvimento de Washington e Bogotá na tentativa de invasão levada a cabo por mercenários na costa do país caribenho na madrugada de domingo.

De acordo com Rodríguez, esse elementos irão esclarecer melhor a frustrada operação armada, através da qual os mercenários procuravam provocar o caos no país e realizar um golpe de Estado contra o presidente constitucional da Venezuela, Nicolás Maduro.

Rodríguez afirmou que os acontecimentos ocorridos este domingo na localidade costeira de Macuto, a 30 quilómetros de Caracas, são uma «acção mercenária», que teve a participação de agentes da Administração para o Controlo de Drogas dos EUA (DEA; um órgão policial do Departamento da Justiça) e de membros do narcotráfico ligados à extrema-direita venezuelana.

«Queriam violar a integridade territorial da Venezuela no meio desta pandemia (Covid-19) que ameaça a humanidade», frisou Rodríguez, citada pela Prensa Latina, em alusão à tentativa de invasão, que foi neutralizada pela acção imediata da Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) e das Forças de Acções Especiais da Polícia Nacional Bolivariana.

De acordo com o saldo preliminar das autoridades venezuelanas, oito atacantes foram mortos e dois foram presos, tendo sido ainda apreendidas várias armas de fogo e outros equipamentos militares.

«Operação Gedeón» assumida

A vice-presidente referiu ainda o facto de um conhecido mercenário norte-americano e um ex-militar venezuelano terem atribuído a si mesmos a responsabilidade pela acção terrorista contra o país caribenho, designada «Operação Gedeón».

Num vídeo publicado nas redes sociais, o mercenário militar norte-americano Jordan Goudreau e o ex-capitão Javier Nieto Quintero assumiram a responsabilidade dos acontecimentos em La Guaira e fizeram um apelo aos oficiais e soldados da FANB para que se revoltassem.

A este propósito, o ministro venezuelano dos Negócios Estrangeiros, Jorge Arreaza, escreveu na sua conta de Twitter que «responsáveis norte-americanos e venezuelanos que planearam a invasão armada falhada na costa começam a aparecer e a assumir a autoria. Estes mercenários envolvem a Colômbia directamente. Senhores do governo de Iván Duque: não se pode tapar o Sol com uma peneira», disse.

Além destas informações oficiais, nas redes sociais a jornalista venezuelana Patricia Poleo publicou o contrato assinado entre o deputado da oposição Juan Guaidó e a empresa de mercenários Silvercorp, de Jordan Goudreau.

De acordo com Poleo, este contrato assinado entre Guaidó e Goudreau – com experiência nas invasões dos EUA ao Iraque e ao Afeganistão – garantia o desenvolvimento da operação, que tinha como objectivos provocar um golpe de Estado e assassinar alguns altos dirigentes bolivarianos.

Tópico